PATROCINADORES

China diz que EUA não devem interferir em cooperação militar com Rússia

XANGAI/PEQUIM (Reuters) – A decisão da China de comprar caças e sistemas de mísseis da Rússia é um ato normal de cooperação entre países soberanos e os Estados Unidos “não têm o direito de interferir”, disse neste sábado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Wu Qian.

Na quinta-feira, o Departamento de Estado dos EUA impôs sanções ao Departamento de Desenvolvimento de Equipamentos da China (EED, na sigla em inglês) depois que o órgão se envolveu em “transações significativas” com a Rosoboronexport, principal exportadora de armas da Rússia.

As sanções estão relacionadas com a compra pela China de dez aeronaves de combate SU-35 em 2017 e equipamentos relacionados ao sistema de mísseis terra-ar S-400 em 2018, informou o Departamento de Estado.

As sanções impedirão o EED e seu diretor, Li Shangfu, de solicitarem licenças de exportação e de participarem do sistema financeiro dos EUA.

“A abordagem dos EUA é uma flagrante violação das normas básicas das relações internacionais… e uma séria violação das relações entre os dois países e seus dois exércitos”, disse Wu em um comunicado divulgado pelo Ministério da Defesa chinês.

O porta-voz disse que os EUA foram avisados que enfrentariam “consequências” se não revogassem imediatamente as sanções.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.