Document
PATROCINADORES
PATROCINADORES

Tarcísio pode ter ganho o peso que lhe faltava

Ao engordar a pré-campanha de Tarcísio, Datena exigiria mais de Haddad e França, acomodados em uma disputa estagnada de início

Há um mantra que deveria encimar todo o comentário político na forma de um logotipo, lema ou ex libris. “Publicae spatium” indicaria que o exercício da política se dá pela ocupação aglutinação de forças nem sempre convergentes. É o que nos indica a participação da candidatura ao Senado do apresentador José Luís Datena (PSC) na chapa do pré-candidato ao governo de São Paulo, o ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos). O acerto foi anunciado após uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro (PL) na casa do ex-presidente da Fiesp, Paulo Skaf. A decisão e os personagens envolviddos surpreenderam absolutamente ninguém. O que interessa são os desdobramentos.

Datena se aproximou de Bolsonaro por meio de entrevistas exclusivas e amistosas em seu programa. Em outros momentos, criticou o presidente, mas tudo dentro de certa polidez e sem contundências críticas. Já Skaf se aproximou do presidente desde o início do mandato, até abrindo sua residência para um encontro do vice, Mourão com empresários.

Nessa conversa, quem sai ganhando de início é Tarcísio. O candidato do presidente ao Palácio dos Bandeirantes precisa mesmo turbinar sua campanha. Atrás de Fernando Haddad (PT) e de Márcio França (PSB), o republicano somava 12,6% das intenções de voto estimuladas em 4 de abril, de acordo com o Instituto Paraná Pesquisa, caindo para 10% em 12 de maio, segundo o Genial/Quaest. Em termos estatísticos, está estagnado. A mesma situação do petista ex-prefeito de São Paulo Haddad, na liderança com 30%, seguido pelo ex-vice-governador paulista França, com os 17% do mês anterior.

A TV promete

Todos precisam crescer e há tempo para tanto. Haddad mantém o índice histórico de preferência do eleitorado à esquerda e pode esbarrar no antipetismo ou ser impulsionado pelo antibolsonarismo, enquanto França parece congregar uma terceira via contra quem não concorda com nada que está aí. O adversário de Tarcísio é mesmo França. Ainda que parte do eleitorado deste possa migrar para Haddad.

Há outros poréns em jogo. O primeiro é o perfil metralhadora giratória do apresentador, que desagrada o bolsonarismo raiz. Para o pleito, tudo deve se acalmar. Quem precisaria lugar nesse arranjo é Skaf, que há mais de década mantém aspirações políticas não contempladas pelas urnas. O certo é que a composição bolsonarista tornará a campanha mais aguerrida. E há também capacidade de transferência de votos de Datena, um novato em campanha sem perfil partidário e comunicador experimentado, mas que nunca foi confrontado por raposas políticas diante das câmeras. Não deverá ser tão difícil. De todos os jeitos, os debates televisivos para governo e Senado prometem.

E para quem achou tudo ruim e fisiológico, resgatamos uma imagem de 2013 ainda mais chocante que só mostra que, independente dos pudores dos eleitores, política tem dessas coisas.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.