Document
PATROCINADORES

Sérgio Moro: “Prometi não concorrer a nenhum cargo político”

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba (PR), concedeu entrevista à revista Crusoé. Foi a primeira vez que Moro falou com a imprensa após a prisão do ex-presidente Lula, no dia 7 de abril. Confira a seguir alguns trechos:

 

Prisão de Lula
“Não é uma questão de mostrar quem é o mais forte, mas de agir com sabedoria. Mas não me senti desafiado, isso nunca foi e não é uma questão pessoal entre ele e eu. Estou fazendo apenas meu trabalho como juiz”

Início da Lava Jato
“O mais surpreendente de tudo é que era uma investigação que, não vou dizer que era pequena, mas que tinha foco em indivíduos envolvidos em lavagem de dinheiro profissional. Não se tinha presente que o caso poderia atingir a dimensão que atingiu. O que mais assustou foi esse crescendo da evolução das investigações”

Ataques sofridos
“Tentam retirar a minha legitimidade e a minha credibilidade. Eu acho muito deplorável isso. Não vejo condições de vir publicamente, a cada momento, refutar as fake news que aparecem em sites ou, às vezes, até por supostos jornalistas. Eu acho que não vale a pena. Não se deve dar atenção a quem não merece”

Ofensas pessoais
“Eu já fui ofendido pessoalmente, até no sentido de que teria prevaricado e participado de crimes contra a administração pública. Fizeram isso também contra a minha esposa, algo que a meu ver revela o baixo calão desse tipo de ofensor”

Seletividade
“Há uma afirmação, por exemplo, de que a Operação Lava Jato seria seletiva. Mas as operações em Curitiba são focadas nos contratos com a Petrobras, que segundo os casos já julgados era usada para enriquecimento de agentes da própria Petrobras e de agentes políticos que controlavam a empresa na época. Então é natural que os agentes políticos que aparecem na investigação em Curitiba sejam aqueles vinculados à coalizão governamental de então, e que hoje não necessariamente se encontram do mesmo lado”

A Lava Jato após a prisão de Lula
“As investigações prosseguem, existem diversos processos que já foram julgados, outros estão pendentes e fatos que ainda podem ser descobertos. Então, o trabalho não se encerra por conta da resolução de um caso específico”

Questionado se teria votado em Lula e no PT
“Não revelo minhas preferências políticas nem voto pretéritos. Um juiz tem que tomar muito cuidado para não externar preferências políticas”

Desilusão com a política
“Se os políticos desonestos não encontram óbices para o sucesso, a tendência é que eles se reproduzam. Até porque eleições custam caro, e se tem um político desonesto que tem condições de se valer de recursos que o honesto não tem, a tendência é que ele tenha vantagens competitivas. Então a Justiça também deve servir para contrabalançar essas vantagens competitivas com o risco de que ele vai ser punido, uma vez descoberto. Além disso, seriam necessárias reformas mais gerais para diminuir essas vantagens competitiva dos desonestos. Como, por exemplo, diminuir o custo das eleições. Na verdade, a política é uma das atividades humanas mais nobres. E há certamento bons políticos. É necessário, porém, que eles se sobressaiam. Esse é o papel do eleitor e das eleições”

Combate à corrupção
“As pessoas não podem ter a ilusão de que a Lava Jato vai eliminar a corrupção na administração pública ou na política. O que acontece na Operação Lava Jato são casos que, se provados, vão encontrar uma resposta que, espera-se, não seja a impunidade. Se houver condenação, isso vai afastar esses mais políticos em particular. Mas os casos de corrupção podem se repetir, podem surgir outras pessoas desonestas. O importante é que as instituições funcionem de maneira mais regular. Diminuindo a impunidade, há uma expectativa razoável de que a corrupção também diminua”

Foro privilegiado
“Na minha opinião, que é também a de vários ministros do próprio Supremo, o foro deveria ser eliminado ou severamente restringido por que ele não funciona bem, mesmo nos casos em que o ministro é absolutamente comprometido com o andamento célere do processo”

Entrar para a política
“Eu fiz uma promessa que não ia concorrer a nenhuma cargo político. Pretendo manter essa promessa”

Democracia em risco
“Quem afirma que a democracia no Brasil está em risco está desinformado da situação real. Existem várias controvérsias na política brasileira, mas a meu ver existe um consenso muito forte de que a democracia é algo positivo, e que não existem alternativas sérias à democracia”

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.