Document
PATROCINADORES

Senadores recorrem ao STF para garantir a prorrogação da CPI da Pandemia

Os senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Podemos-GO) recorreram na segunda-feira (5) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir a prorrogação da CPI da Pandemia. Os parlamentares alegam que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), descumpre o regimento da Casa ao declarar que a solicitação deve ser analisada somente ao término do prazo atual — 7 de agosto. 

Na petição feita ao Supremo, os senadores pedem que seja concedida uma liminar para determinar “a adoção de todas as providências necessárias” para a prorrogação da CPI. No pedido, Alessandro e Kajuru classificam a decisão de Pacheco como um “ato omissivo doloso”. 

Na sessão plenária da última terça-feira (29), o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da comissão, apresentou requerimento de prorrogação dos trabalhos da CPI. O presidente respondeu que o assunto deveria ser apreciado posteriormente, em condições “objetivas e subjetivas” para a prorrogação.

De acordo com Pacheco, a prorrogação não é um ato discricionário ou que dependa da vontade dele, mas sim da “condição objetiva do fato determinado” e do número de assinaturas. A afirmação foi feita no podcast original do senador.

“Minha expectativa como presidente do Senado, vendo a CPI como um órgão do Senado a funcionar nesse instante, com a perspectiva de sua prorrogação, é que possa desempenhar com isenção, imparcialidade e com bastante firmeza a apuração de todos os fatos que sejam lesivos à sociedade brasileira. É isso que eu desejo, é nisso que eu acredito”, disse.

O requerimento de prorrogação, apresentado por Randolfe na semana passada, recebeu 34 assinaturas — sete além do mínimo necessário. No entanto, a lista precisa ser lida por Pacheco para ter validade e, até lá, os senadores podem retirar o apoio. 

Essa é a segunda vez que os senadores recorrem à Corte em prol do funcionamento da CPI. Em abril, Rodrigo Pacheco anunciou a criação da comissão somente após decisão liminar do STF. Na época, ele considerou a ordem judicial equivocada. 

Repercussão 

Em rede social, o senador Marcos Rogério (DEM-RO), sem citar a petição pela prorrogação, disse que há “nítida orquestração política em curso, antecipando as discussões eleitorais de 2022”. 

“A oposição ainda não desceu do palanque e boicota o Brasil numa tentativa de contrapor o governo Bolsonaro. Enquanto isso, medidas importantes estão  paralisadas, dificultando a retomada econômica. É o caso das reformas tributária e administrativa”, escreveu.

Também pela rede social, Randolfe Rodrigues manifestou apoio à iniciativa do senador Alessandro Vieira. 

Recesso

Outra discussão no Senado é sobre o recesso parlamentar, marcado para começar em 16 de julho. Inicialmente, a CPI poderá funcionar até o dia 7 de agosto, caso o Senado entre em recesso. Os senadores Omar Aziz (PSD-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL), presidente e relator da comissão, respectivamente, defendem que o Senado não entre em recesso, o que forçaria a interrupção das atividades da comissão. Caso não haja o recesso e nem a prorrogação, a CPI da Pandemia deve ser encerrada no fim deste mês. 

Da Agência Senado

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.