Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Quais são as reais chances de Haddad?

Quais são as reais chances de Haddad?

Fernando Haddad não é exatamente o que se pode chamar de político carismático. Mas, até aí, a ex-presidente Dilma Rousseff também não era. E ganhou duas eleições com o aval do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O Partido do Trabalhadores quer repetir a estratégia e eleger Haddad como mandatário da Nação, mesmo com Lula preso após condenação em segunda instância. Nesta terça, ele é oficializado como candidato do PT. Mas, afinal, quais são as verdadeiras chances de Haddad?

Para chegar ao segundo turno, Haddad terá de liderar, com folga, a votação na região Nordeste. Além disso, terá de vencer em pelo menos três dos cinco maiores colégios eleitorais do país (São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia e Rio Grande do Sul).

Relembremos a eleição de Dilma. Ela teve 37 % dos votos nordestinos, chegou a 24 % dos sufrágios paulistanos e liderou as votações em Minas, Rio, Bahia e Rio Grande do Sul.

Ainda não temos a íntegra da pesquisa do Datafolha, dividida por estados. Mas pode-se dizer categoricamente que Haddad vencerá na Bahia, estado no qual o governador petista lidera as intenções de voto com um índice de 70 %.

As boas notícias para o petista, contudo, terminam por aqui. Haddad tem 13 % de intenções de voto no Nordeste. Este número não é ruim para quem iniciou a campanha há pouco. Mas quando os petistas comparam este índice com o de Ciro Gomes deveriam ficar preocupados (Ciro tem 20 % dos votos na região).

Pode-se argumentar que apenas 43 % dos eleitores de Ciro sabem que ele não é o escolhido de Lula. Mas Ciro personifica o cidadão nordestino como nenhum outro candidato, apesar de ter nascido, como Geraldo Alckmin, em Pindamonhangaba.  Haddad, do outro lado, é um perfeito paulistano. Lembra até Alckmin em alguns momentos. Será um páreo duro para o petista enfrentar o candidato do PDT em seu habitat natural, disputando um eleitor de esquerda e nordestino.

O que dizer de São Paulo, Minas, Rio e Rio Grande do Sul? Dificilmente Haddad vencerá nestas praças. Chegará em segundo? Talvez. Mas há chances concretas de que isso não ocorra. Em São Paulo, Jair Bolsonaro e Alckmin lideram as pesquisas. Em Minas, Rio e Rio Grande, os candidatos do PT ao governo estão atrás na disputa.

Por isso, Haddad tem muito o que fazer. Se ficar esperando os votos de Lula caírem sobre sua cabeça, vai bater na trave.

Envie seu comentário