Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Prisão de Lula ganha destaque em jornais internacionais

Prisão de Lula ganha destaque em jornais internacionais

Jornais estrangeiros repercutiram com destaque a prisão do ex-presidente Lula. As matérias apareceram em áreas de destaque nas versões online.

O jornal britânico Guardian adotou uma linha favorável ao ex-presidente. A matéria destacou a resistência de Lula no Sindicato dos Metalúrgicos e o apoio que ele recebeu dos simpatizantes. O jornal, conhecido pelas tendências liberais (que no Reino Unido o coloca mais à esquerda), disse que a prisão de Lula afeta o projeto político de inclusão e justiça social que Lula implantou no seu governo e implantaria caso fosse reeleito em 2018. E citou que a prisão de Lula ocorreu num ritmo muito mais rápido do que outros condenados envolvidos na Operação Lava Jato enquanto outros políticos permanecem soltos.

O New York Times afirmou, logo nas primeiras linhas, que a prisão é uma “reviravolta ignominiosa na notável carreira política de Lula, filho de trabalhadores rurais analfabetos que enfrentaram os ditadores militares do Brasil como um líder sindical e ajudou a construir um partido de esquerda transformador que governou o Brasil por mais de 13 anos.” Como o Guardian, deu destaque à ideia de que Lula foi um combatente da desigualdade e injustiça social. O jornal citou cientistas políticos que questionam a democracia e a lisura da prisão de Lula, mas mostrou visões opostas, como a do ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB).

Já o Financial Times, tido como mais conservador, ressaltou que Lula foi “um entre dezenas de políticos, empresários e negociantes do mercado negro que estão sendo investigados ou processados ​​como parte da investigação” liderada pelo juiz Sergio Moro.

Por que é importante
Países desenvolvidos se sentem atraídos pela narrativa que segue a linha que democracias em países em desenvolvimento, como o Brasil, são frágeis. Ainda tem forte apelo a ideia de que o autoritarismo “da elite minoritária” atua na manutenção de benesses e barra qualquer projeto de mudança do status quo. Para muitos veículos internacionais, a prisão de Lula não é uma prova do contrário; ou seja, as instituições brasileiras estão mais sólidas e um ex-presidente com recordes de popularidade foi preso
Quem ganha
Lula, a esquerda e a visão do Brasil como uma "república de bananas"
Quem perde
O país e sua imagem institucional

Envie seu comentário

16 − doze =