PATROCINADORES

Primeiro país introduz quarentena por Monkeypox

A OMS confirmou até agora 92 casos da doença em 12 países, com mais 28 casos suspeitos em análise

A Bélgica se tornou o primeiro país a introduzir uma quarentena obrigatória de 21 dias para pacientes com Monkeypox, à medida que os casos da doença – tipicamente endêmicos da África – se espalham pelo mundo.

As autoridades de saúde da Bélgica introduziram as medidas na sexta-feira (20) após relatar seu terceiro caso do vírus. Nesta (23) segunda-feira, o país registrou quatro casos locais; infecções globais confirmadas atualmente são cerca de 100.

As medidas obrigatórias da Bélgica aplicam-se apenas a pacientes com infecção confirmada. Os contatos próximos não precisam se auto-isolar, mas são incentivados a permanecer vigilantes, especialmente se estiverem em contato com pessoas vulneráveis.

“As pessoas infectadas terão que entrar em isolamento de contato até que as lesões estejam curadas (elas receberão instruções concretas sobre isso do médico responsável)”, disse uma versão traduzida do anúncio do governo.

Enquanto isso, o Reino Unido disse que aqueles que têm alto risco de contrair a doença devem se auto-isolar por 21 dias. Isso inclui contatos domésticos ou profissionais médicos que podem ter entrado em contato com um paciente infectado.

O que é ?

É uma doença rara causada pelo vírus Monkeypox – parte da família da varíola – com sintomas que incluem erupções cutâneas, febre, dores de cabeça, dores musculares, inchaço e dor nas costas.

Embora normalmente menos grave que a varíola, os especialistas em saúde estão cada vez mais preocupados com a gênese de um surto recente, que começou no início de maio, em países além da África Central e Ocidental.

Autoridades de saúde, incluindo os Centros de Controle e Infecção de Doenças dos EUA e a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido, disseram que notaram uma concentração particular de casos entre homens que fazem sexo com homens e pediram aos homens gays e bissexuais em particular que estejam cientes quaisquer erupções ou lesões incomuns.

Até sábado, a Organização Mundial da Saúde informou que havia 92 casos em 12 países e mais 28 casos suspeitos sob investigação. Os EUA, Reino Unido, Canadá, Austrália, Alemanha, França, Itália, Espanha, Suécia, Bélgica, Portugal e Holanda têm todos os casos confirmados.

O órgão de saúde pública disse que os casos relatados recentes não têm ligações com viagens de países africanos endêmicos, o que é incomum para a doença. Geralmente se espalha através do contato humano-humano ou humano-animal.“As investigações epidemiológicas estão em andamento, no entanto, os casos relatados até agora não têm links de viagem estabelecidos para áreas endêmicas”, disse a OMS em comunicado publicado em seu site no sábado.

“Com base nas informações atualmente disponíveis, os casos foram identificados principalmente, mas não exclusivamente, entre homens que fazem sexo com homens (HSH) que procuram atendimento na atenção primária e clínicas de saúde sexual”, acrescentou.

Mais casos prováveis

O recente aumento de casos na comunidade, particularmente nas áreas urbanas, agora está levantando preocupações de um surto mais amplo. “Para que apareça agora – mais de 100 casos em 12 países diferentes sem conexão óbvia – significa que temos que descobrir exatamente o que está acontecendo”, disse Seth Berkley, CEO da aliança global de vacinas Gavi, à CNBC na segunda-feira. “A verdade é que não sabemos o que é isso e, portanto, quão grave será. Mas é provável que veremos mais casos”, disse ele.

Embora a maioria dos casos de varíola seja leve e normalmente resolva dentro de 2 a 4 semanas, atualmente não há vacina comprovada. A vacina contra a varíola provou ser 85% eficaz na prevenção da infecção, e alguns países já começaram a estocar doses.

Berkley alertou que o novo surto, ocorrendo mesmo quando a pandemia de coronavírus existente “ainda não acabou”, foi um alerta para as autoridades investirem mais recursos em doenças infecciosas. Ele estava falando à margem do Fórum Econômico Mundial em Davos, onde líderes políticos e empresariais se reuniram esta semana para discutir questões globais importantes, incluindo a preparação para uma pandemia.

“Isso é evolutivamente certo de que veremos mais surtos”, disse ele. “É por isso que a preparação para a pandemia é tão importante. Veja o que pode fazer economicamente quando você tem um golpe de pandemia ”

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.