Document
PATROCINADORES

Por que um banho de sol causa tanta discussão?

Um dos grandes males de politizar absolutamente tudo é dar uma importância gigantesca a fatos absolutamente banais, como o banho de sol do governador João Doria. Fotografado em uma espreguiçadeira de hotel de luxo no Rio, Doria foi criticado por seguidores do presidente Jair Bolsonaro por vários motivos – por estar hospedado em um local caro, por tomar banho de sol e por não portar máscara de proteção.

O governador tem condições de pagar a diária do hotel (cuja vista da piscina, por sinal, é muito bonita), estava em um dia em que não há expediente oficial no Palácio dos Bandeirantes e ninguém se bronzeia com uma máscara no rosto. Ou seja, as críticas podem ser interpretadas como um sonoro exagero.

Por outro lado, o governador estimulou o debate que provocou os apupos. Primeiro, ao esticar a corda e criar um clima “nós contra eles” ao se colocar como defensor intransigente da ciência e jogar seus adversários no campo do negacionismo. Ao repetir incessantemente seu discurso a favor das máscaras e das vacinas, provou do próprio veneno. Seus detratores usaram seus próprios argumentos para criticá-lo.  

Esse é o mundo que vivemos. Nele, não há espaço para uma sutil escorregadela. Absolutamente tudo é percebido, anotado e julgado. E, depois, propagado aos quatro ventos, com palavras ácidas e pontiagudas.

Doria, que já passou dos 60 anos e é um político diplomado no quesito comunicação, tinha perfeita noção de que estaria em um local público e seria reconhecido na piscina do hotel. Resolveu deitar-se e receber os raios solares em seu rosto sabendo que seria fotografado e essa imagem iria viralizar. Por que o governador fez isso?

Há três hipóteses para explicar esse comportamento.

A primeira é a de que ele quis valer a sua vontade e minimizou as consequências de seu ato, como ocorreu em sua viagem, meses atrás, para Miami. Amigos do governador dizem que ele é teimoso. Quando põe uma ideia na cabeça, ninguém é capaz de convencê-lo do contrário.

A segunda: Doria pode ter considerado que a reação negativa viria apenas dos bolsonaristas, um grupo que o ataca por qualquer motivo. De fato, foi este contingente que mais o atacou. Mas houve estranheza até entre seus apoiadores.

Por fim, é possível que o governador tenha visto que as chances de crescimento de seu nome nas pesquisas eleitorais são baixas e simplesmente não perdeu muito tempo listando os prós e contras de uma sessão de bronzeamento à beira da piscina.

A atitude de Doria pode ter explicação em um dos fatores acima (ou em uma combinação deles). Mas o fato é que melhor teria sido se o governador tivesse deixado a sua pele no tom amarelo-escritório típico dos paulistanos, sem dar munição aos adversários.

A exposição de Doria na piscina do hotel traz à tona uma velha discussão – se as pessoas públicas têm ou não direito à privacidade. Muitos afirmarão que sim. Mas, como ter privacidade em uma piscina localizada em um hotel da moda, cercado de pelo menos cinquenta pessoas?

O governador ficou meses a fio batendo na tecla das regras de isolamento social e de proteção sanitária – entre as quais está o uso de máscaras. No caso específico do Rio de Janeiro, máscaras são requeridas por lei quando a distância entre as pessoas é inferior a quatro metros. A julgar pelas fotos, no entanto, as espreguiçadeiras estavam bem mais próximas entre si.

Apesar de ter apostado num cavalo vencedor, o das vacinas, a popularidade de Doria parece patinar. A única fonte para auferir sua aprovação é o Instituto Paraná Pesquisas. Em sua última enquete, realizada em maio, a taxa de reprovação de Doria vai a 65 %. É muito. E é um índice que parece fazer sentido quando se vê que o governador não passa de 3 % das intenções de voto para presidente de acordo com inúmeras fontes.

Em meio a uma aprovação diminuta, é de se esperar que um dos esportes favoritos dos paulistanos seja falar mal de seu governador – e essa foto, sem dúvida, parece fomentar o hábito.

Haverá caminho de volta para o governador? Se os números do Instituto Paraná estiverem certos, ele dificilmente voltará às boas com os eleitores. Mas estamos falando de um político perseverante e que trabalha enquanto os adversários dormem. Em se tratando de política brasileira, não existe nenhum cenário definitivo, especialmente a um ano e meio da eleição. Mas não são apenas os fiéis seguidores de Bolsonaro que estão falando mal dele. Toda a comunidade ligada ao comércio e aos restaurantes (com razão ou não) de São Paulo criticam o governador e dificilmente apoiariam seu nome. Esse é o pior pesadelo de qualquer político. É surpreendente que tal desgaste venha atingir alguém com tão pouco tempo no universo eleitoral. Rápido ele subiu em 2016. Descerá rápido também em 2022? Façam suas apostas.  

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.