PATROCINADORES

O fim prematuro do governo Temer

A cerca de seis meses do fim do mandato, o presidente Michel Temer vê seu governo, o mais impopular desde a redemocratização, terminar de forma prematura. As visitas de congressistas ao seu gabinete, que eram frequentes, agora rarearam. Funcionários de cargos de confiança já procuram novo emprego. Reformas que ele ainda sonhava em ver aprovadas, como a da Previdência e a simplificação tributária, ficaram para 2019. Nem medidas provisórias ele deve conseguir renovar. A única coisa que lhe resta, além de cuidar do Palácio do Planalto para entregá-lo ao sucessor em janeiro, é torcer para que o próximo presidente não revogue a reforma trabalhista e a que instituiu o teto dos gastos, suas vitórias mais relevantes.

 

 

Por que é importante

Michel Temer assumiu a presidência após impeachment de Dilma Rousseff. Queria aproveitar a baixa popularidade para fazer reformas importantes, e mal vistas pela população, como a previdenciária e a trabalhista. Almejava colocar seu nome na história. Falhou

Quem ganha

Dilma Rousseff, que nunca escondeu a aversão ao vice-presidente

Quem perde

Henrique Meirelles. O ex-ministro da Fazenda assumiu o discurso reformista e não emplaca nas pesquisas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =

Pergunte para a

Mônica.