PATROCINADORES

Lava Jato volta a prender Paulo Preto; tucano é alvo de buscas

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (19) a 60ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Ad Infinitum. Estão sendo cumpridos 12 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Paulo Vieira de Souza (ex-diretor da estatal paulista Dersa) e Aloysio Nunes Ferreira Filho (ex-senador do PSDB e ex-ministro das Relações Exteriores no governo Michel Temer). Paulo Preto, como é conhecido, também é alvo de um mandato de prisão preventiva. Ele é apontado pelo Ministério Pública Federal como operador de propinas do PSDB. A nova etapa da Lava Jato investiga um esquema de lavagem de dinheiro. O ex-diretor da Dersa teria movimentado R$ 130 milhões em contas na Suíça entre 2007 e 2017. Em uma das contas, o MPF apura a emissão de um cartão de crédito em favor do ex-senador tucano. O cartão teria sido entregue a Aloysio Nunes em dezembro de 2017, quando ele comandava o Itamaraty. As investigações são baseadas em informações obtidas nas delações de executivos da empreiteira Odebrecht.

Por que é importante

Essa é a terceira vez que Paulo Preto é preso no âmbito da Lava Jato

Quem ganha

PF e MPF, que já indicavam a deflagração de mais etapas da operação

Quem perde

O ex-diretor da Dersa e o ex-ministro Aloysio Nunes Ferreira, alvos dessa nova fase

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Pergunte para a

Mônica.