PATROCINADORES

Gilmar Mendes sai fortalecido no embate com a Lava Jato

A decisão do STF de proibir as conduções coercitivas fortaleceu a atuação do ministro Gilmar Mendes, principal crítico da Operação Lava Jato na corte. Em entrevista ao jornalista Roberto D’Ávila, na GloboNews, Mendes manteve o tom ácido contra a Lava Jato e afirmou que a operação ganhou projeção exagerada e indevida. “Toda essa bem-sucedida Operação Lava Jato, que é digna de elogios, levou também ao desaparecimento da classe política, dos partidos políticos. Por isso, ela passou a ter uma lógica própria. Veja que a Lava Jato passou a propor medidas legais, questionar medidas judiciais, a discutir aspectos que transcendem de muito a sua própria competência, a sua própria atribuição, a atribuição dessa chamada força-tarefa”, disse.

O ministro falou ainda sobre as polêmicas envolvendo os habeas corpus concedidos por ele, especialmente os que beneficiaram envolvidos em esquemas investigados no Rio de Janeiro. “As exigências que nós fazemos para os decretos de prisão preventiva são exigências talvez muito estritas. Não basta dizer genericamente que há interesse para a instrução processual penal. É necessário que se tragam razões concretas. A prisão preventiva se justifica para aquele que destrói provas, ameaça testemunha, ameaça evadir-se. Fora daí, é preciso ter de cautela”, completou Gilmar Mendes.

Por que é importante

Por 6 votos a 5, o STF decidiu na quinta-feira (14) que a decretação de conduções coercitivas para levar investigados e réus a interrogatório policial ou judicial é inconstitucional. O instrumento foi usado 227 vezes pela Lava Jato

Quem ganha

Gilmar Mendes, que concedeu a liminar para impedir a medida e foi voto vitorioso no STF

Quem perde

A PF, o MPF e a força-tarefa da Lava Jato

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − 3 =

Pergunte para a

Mônica.