PATROCINADORES

Coronavírus: infectologista diz que país ainda está longe do pico de mortes

O Brasil registrou nesta terça-feira (14) um novo recorde diário de mortes por coronavírus. Segundo o Ministério da Saúde, foram reportados 204 óbitos nas últimas 24 horas. Em entrevista a MONEY REPORT, a médica infectologista Jane Teixeira, gerente de produtos na Sharecare, comentou que a piora é um reflexo do rompimento do isolamento social e que o país caminha para a fase mais grave da doença. “Observamos uma movimentação cada vez maior nas ruas. Isso é muito ruim, porque ainda estamos longe do pico. A tendência é avançar muito o número de infectados e de mortes”, destacou. “A fila de casos pendentes no país ainda é enorme. Os exames estão demorando para ficarem prontos. Temos também situações de insuficiência respiratória. Estamos subestimando a proliferação da doença”, alertou. A infectologista esclareceu que é natural que os dados caíam no final de semana, por questões burocráticas que atrasam a entrega dos testes, e acelerem durante os dias úteis. Repetindo a avaliação do Ministério da Saúde, a médica apontou que o pico da doença será entre maio e junho e que o platô deverá ser atingido só em julho. Jane evitou falar sobre estimativas e indicou que o essencial no momento é fazer o número de testes. Ela reforçou a importância da quarentena como forma mais eficaz de conter o avanço da pandemia. “Não tem receita milagrosa. As pessoas precisam entender que o isolamento é para ganhar tempo, não sobrecarregar o sistema de saúde e abrir a chance do desenvolvimento de uma vacina. Teremos uma subida descontrolada, como nos Estados Unidos, se isso não for seguido”, completou.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.