PATROCINADORES

“Centrão quer faturar politicamente com a reforma da Previdência”

O governo teve uma importante vitória na semana com a aprovação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A segunda etapa será na comissão especial instalada para discutir o mérito da proposta, que terá o Centrão como protagonista. Das 49 cadeiras, 21 serão ocupadas por parlamentares do bloco. Em entrevista a MONEY REPORT, o cientista político Leonardo Barreto, da Capital Político, avalia as dificuldades que o governo poderá enfrentar na tramitação do projeto. Confira:

O protagonismo do Centrão na comissão especial para discutir a reforma da Previdência é bom ou ruim para o governo?

O que parece claro é que o governo não está no comando da discussão. O Centrão é que está controle. O que está sendo discutido hoje no Congresso é uma questão de preço. O que o Centrão pretende estabelecer é como o governo vai ter que ceder para aprovar a reforma. E o que vejo é que o governo terá de entregar espaço na administração.

Por que o governo não consegue conduzir a discussão de maneira diferente?

O governo não tentou construir uma base. O governo entregou a proposta de reforma da Previdência e deu liberdade para o Congresso fazer o que quiser. Mas os parlamentares estão interessados no ônus da popularidade. Estão de olho em como vai ficar a imagem deles se a proposta passar. Então, em troca, querem garantir outras benesses.

Como resolver isso?

Não tem ponto mágico. O Centrão vai encontrar maneiras de faturar politicamente com a reforma. A existência dos parlamentares passa pela sensação de empoderamento. É importante receber emendas e alocar os recursos para obras e fortalecer o contato com as prefeituras, mas o congressista quer mostrar que tem influência. Então pressiona o governo para nomear aliados em cargos estratégicos. Para mostrar para as bases que tem poder.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deve sair fortalecido do processo?

Ele está na linha de frente e é a cabeça do jogo. Vejo, no entanto, que ele tem feito mais uma defesa corporativa do Congresso. Até poderia ter como alternativa usar o protagonismo para criar um projeto de poder próprio. Mas ele vai permanecer na presidência da Casa até o meio do mandato só. Não vai poder usar a situação para aparecer como grande estadista e se credenciar para projetos maiores.

Existe risco de a reforma não ser aprovada?

O diagnóstico é que a reforma tem um consenso grande para ser aprovada. A dúvida é a velocidade e o tamanho da proposta que chegará para ser votada em plenário. Tudo vai depender da articulação do governo.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.