Document
PATROCINADORES

Bolsonaro questiona STF sobre prisões de aliados por causa de fake news

O presidente Jair Bolsonaro entrou nesta sexta-feira (20) com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando as medidas da corte no inquérito das fake news. Para o chefe do executivo, os atos estão “contrariando as liberdades individuais e os princípios constitucionais”. A iniciativa é uma tentativa, legal, de reduzir a pressão sobre os aliados do presidente.

A ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) contesta, entre outros pontos, a forma como a investigação foi aberta, amparada no regimento interno da Corte, e pede a sua suspensão, em caráter liminar, até o julgamento da ADPF. O inquérito das fake news apura a divulgação de notícias falsas e ameaças contra integrantes da Corte. Sua abertura já foi objeto de ação e julgamento no STF. Na ocasião, por 10 votos a 1, os ministros decidiram a favor da constitucionalidade do inquérito, aberto pelo próprio tribunal em março de 2019.

O presidente é representado pelo advogado-geral da União (AGU), Bruno Bianco, que assina a arguição. De acordo com o documento, as medidas adotadas pelo relator do inquérito, ministro Alexandre de Moares, causam “desconforto jurídico”, pois “trata-se de um mosaico de fatos sem nenhuma relação aparente de conexão concreta, que foram submetidos ao escrutínio investigatório de um mesmo Ministro Instrutor/Relator apenas por se enquadrarem em uma ‘classe de fatos’ – a hostilidade à dignidade da jurisdição do Supremo Tribunal Federal”.

Entre as reclamações, estão a remoção de conteúdo jornalístico envolvendo relatos que mencionavam nome de ministro do STF; busca e apreensão contra o ex procurador-geral da República por manifestações externadas na imprensa; o afastamento de auditores fiscais da Receita Federal por suposto acesso indevido a informações sigilosas de ministros do STF e seus familiares; a prisão de parlamentar que hostilizou ministros do STF em mídias sociais mediante excesso de crítica; e acolhimento do despacho do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para determinar a investigação de condutas do presidente da República por críticas – ão comprovadas – à integridade do processo eleitoral eletrônico e por suposto vazamento de inquérito sigiloso.

Alvos ilustres

Sérgio Reis e Otoni de Paula – o cantor e ex-deputado Reis e o parlamentar De Paula foram alvo, nesta sexta-feira (20), de mandados de busca e apreensão por nparte da PF. Justitificativa: “o eventual cometimento do crime de incitar a população, através das redes sociais, a praticar atos violentos e ameaçadores contra a democracia, o Estado de Direito e suas instituições, bem como contra os membros dos Poderes”.

Roberto Jefferson – o ex-deputado e atual presidente do PTB foi preso em 13 de agosto por ordem do ministro Alexandre de Moraes. Justificativa: “O nítido objetivo de tumultuar, dificultar, frustrar ou impedir o processo eleitoral, com ataques institucionais ao Tribunal Superior Eleitoral e ao seu ministro presidente. As manifestações, discursos de ódio e homofóbicos e a incitação à violência não se dirigiram somente a diversos ministros da Corte, chamados pelos mais absurdos nomes, ofendidos pelas mais abjetas declarações, mas também se destinaram a corroer as estruturas do regime democrático e a estrutura do Estado de Direito”.

Daniel Silveira – o deputado do PSL do Rio foi detido em 16 de fevereiro, após postar vídeos ameaçando e ofendendo integrantes do STF, pedindo o fechamento da corte a a volta do AI-5, que em 1968 suprimiu o direito de defesa, o habeas corpus e a pressunção de inocência. Justificativa: ameaçou magistrados e defendeu a volta da ditadura. A manuntenção da prisão de Silveira foi aprovada na Câmara por 364 votos a 130.

Sarah Winter – presa em 15 de junho de 2020, a candidata derrota a deputado pelo Democartas do Rio, a ativista de extrema direita foi acusada de organizar e captar recursos para ações antidemocrática. Justificativa: seus atos se enquadram na Lei de Segurança Nacional. Ela responde processo em liberdade e, desde 24 de junho de 2020, usa tornozeleira eletrônica.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.