PATROCINADORES

Bolsonaro é impulsivo ou um gênio da manipulação?

O pedido de demissão, já confirmado, do Ministro da Justiça, Sergio Moro, pode ser interpretado de duas formas.

A primeira: o presidente Jair Bolsonaro se deixa levar pela impulsividade e diz que vai demitir o diretor-geral da Polícia Federal, Mauricio Valeixo, cuja exoneração foi publicada no Diário Oficial desta sexta-feira (24). Moro, diante disso, pede para pensar num nome alternativo e o presidente já lhe apresenta algumas opções, entre as quais a do secretário de Segurança do Distrito Federal, Anderson Gustavo Torres. Diante disso, o ministro pede demissão e é assediado pela turma do “deixa-disso”.

Segunda hipótese: o presidente recebe o briefing com o recorde de mortes registradas pelo coronavírus, que bateriam a casa de 400 óbitos informados num só dia, a ser divulgado ao final da tarde. Imagina, então, uma manobra diversionista, daquelas que tirariam a atenção da população do crescimento no número de falecimentos causados pela pandemia. A solução lhe surge: pressionar Moro, seu ministro mais popular, e fazê-lo pedir demissão, para depois tentar um recuo e manter tudo como estava. A imprensa, assim, dá menos espaço à pandemia e se dedica a cobrir a crise política.

Qual das opções é a verdadeira?

Não vejo Bolsonaro como um grande estrategista. Seu perfil é o de alguém impulsivo e movido a conflitos. Mas estamos numa série espetacular de discórdias com ministros, deputados e governadores. Há uma fila de ex-aliados do governo que aumenta mês após mês, fruto de brigas com o mandatário. São tantos desentendimentos que é o caso de se cogitar a possibilidade de o presidente ser um criador de factoides com o único propósito de manipular a atenção da sociedade.

Caso essa seja a verdade por trás dos acontecimentos recentes, um aviso: trata-se de uma série de tiros no próprio pé. Tome-se o caso de Moro. Caso ele fique no governo, seu comprometimento será cada vez menor, machucado pelas cizânias às quais vem enfrentando desde que botou o pé na Esplanada dos Ministérios.

Como acontece em um desentendimento que evolui para a briga física, aquele que bate esquece logo o ocorrido. O que apanha, no entanto, vai guardar lembranças muito mais duradouras do momento. Dependendo da personalidade, o agredido pode esperar em silêncio o melhor momento para dar o troco. Se essa vítima é alguém com grande trânsito no Ministério Público e na Polícia Federal, o estrago pode ser grande. Ou seja, mexer com esse tipo de pessoa pode ser pior que brincar com fogo.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.