Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

5 Commentários

Bolsonaro compara mortes na ditadura a “tapa no bumbum”

Bolsonaro compara mortes na ditadura a “tapa no bumbum”

O pré-candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) repercutiu o documento da CIA, revelado pelo pesquisador Matias Spektor, indicando que o ex-presidente Ernesto Geisel autorizou execuções durante a Ditadura Militar. “Quem nunca deu um tapa no bumbum do filho e depois se arrependeu? Acontece”, comparou em entrevista à Rádio Super Notícia, de Belo Horizonte (MG). Bolsonaro ainda apresentou sua versão de como o relatório pode ter sido confeccionado. “O que pode ter acontecido com esse agente da CIA? Quantas vezes você não falou no canto? ‘Tem que matar mesmo, tem que bater’. Talvez o cara tenha ouvido uma conversa como essa, fez o relatório e mandou”, comentou. O político ainda defendeu a atuação dos militares. “O momento era outro. Ou a gente botava para quebrar, ou o Brasil estava perdido”, completou.

Por que é importante
Defensor do regime militar, Bolsonaro lidera as pesquisas eleitorais nos cenários sem Lula. No voto a favor da abertura do processo de impeachment contra Dilma, o político homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, um dos principais símbolos da repressão durante a ditadura militar
Quem ganha
Os apoiadores radicais de Bolsonaro
Quem perde
Bolsonaro, ao tirar sarro de um assunto sério

Comentários

  1. Edson Rodrigues

    Graças ao regime militar, hj não somos a uma cuba

  2. Jorge Milton vedovoto

    Cada vez mais admiro o Bolsonaro

  3. Erivelto Santana

    Quem ganha e a Nação Brasileira! Não existe apoiadores RADICAIS do Bolsonaro,primeiro que nem ele é radical! Somos eleitores conscientes que ele ainda tem moral e conduta ilibada para governar o País.??

  4. Wesley

    Obrigado por fortalecer mais Ainda minha intenção de voto ao Bolsonaro, pq de candidatos demagogos e cheio de lero-lero o brasileiro conciente está cansado! Bolsonaro presidente! Ass: radical robô

  5. Sergio Bernardo

    Interessante esse relatorio sair só agora,45 anos depois do ocorrido.
    Pq não uns 5 ou 10 anos antes,quando a esquerda liderava as pesquisas e ganhou as eleições ?

Envie seu comentário

4 + 18 =