Document
PATROCINADORES

BB e CEF deixarão Febraban após manifesto pela pacificação política


As duas maiores instituições bancárias públicas do país, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal devem deixar a Federação Brasileira de Bancos, a Febraban, nos próximos dias. A decisão teria partido dos próprios bancos e foi levada ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Nos bastidores, o presidente Jair Bolsonaro também foi informado, mas alegadamente não se envolveu no assunto, apesar do resultado ser de seu interesse, em aparência.

De acordo com o colunista Lauro Jardim, dos jornais O Globo e Valor Econômico, neste sábado (28), a decisão é uma resposta ao manifesto em defesa da democracia assinado pela Febrabane e encabeçado pela Fiesp sob o título “A Praça é dos Três Poderes”. Associações dos setores financeiro e empresarial se preocupam com a escalada da tensão entre os poderes e defendem uma pacificação institucional. “Se a Febraban se tornou uma central política, não faz sentido estar”, afirmou uma fonte ligada aos bancos públicos. A entidade que representa os bancos costuma ser muito discreta, mas defende publicamente uma redução nos ruídos políticos e que o país se concentre na condução das reformas e de outras medidas que levem ao crescimento sustentável.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.