Document
PATROCINADORES

Assessores fraudariam votos ao substituir deputados

Criado durante a pandemia para que os parlamentares pudessem dar andamento aos trabalhos mantendo o isolamento, o sistema de votação da Câmara dos Deputados é passível de fraude. O problema é reconhecido pela Casa, aponta uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo desta segunda-feira (14).

Instalado em 2020, ainda sob a presidência de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o sistema pode ser facilmente burlado por quem tiver uma senha. O jornal apurou reservadamente entre os deputados que os quorum obtidos nas sessões virtuais têm ocorrido sem comprovação de participação. Boa parte dos votantes fica o tempo todo com o áudio e o vídeo de seus aparelhos celulares ou computadores desligados. Há ainda a suspeita que assessores estejam votando, o que é proibido e passível de cassação do mandato.

A Folha obteve print de uma conversa de um grupo de mais de cem deputados e assessores em que um parlamentar – nome borrado pela fonte – afirma que assessor estaria votando no projeto que flexibilizou as regras de licenciamento ambiental no país.

Print obtido pelo jornal Folha de S.Paulo

Em nota, a Câmara afirmou que a área técnica está analisando a adoção de biometria facial no processo de votação remota. A Casa ressaltou que a resolução que implantou a medida estabelece que a “senha do parlamentar e o dispositivo logado no sistema são de uso pessoal e intransferível ” e que o “desrespeito a esta norma é considerado procedimento incompatível com o decoro parlamentar”.

Print obtido pela Folha da sala virtual em que os deputados federais discutem os projetos em votação na Câmara

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.