Document
PATROCINADORES

Generali atualiza estratégia para proteção do clima

O Grupo Generali apresentou ao seu quadro de diretores a nova estratégia para as mudanças climáticas. O plano atualizado promete ações significativas relacionadas ao investimento e atividades de subscrição, os principais negócios da companhia, comprometendo-se com um futuro de baixo impacto climático. “Os 6 bilhões de euros de investimentos verdes e sustentáveis, feitos nos últimos três anos, nos permitiram ultrapassar os objetivos pré-estabelecidos e antes do previsto. Acreditamos que nosso setor privado tem um papel chave no apoio financeiro à ‘Transição Justa’ para um futuro sem emissão de gases, auxiliando as instituições públicas a tomarem as medidas necessárias”, afirmou Philippe Donnet, CEO do Grupo Generali.

Investimentos Diretos

Os novos objetivos incluem: 8,5 a 9,5 bilhões de euros para novos investimentos verdes e sustentáveis entre 2021 e 2025. Este objetivo segue o anteriormente definido, de 4,5 bilhões entre 2019 e 2021, o qual foi ultrapassado com um ano de antecedência e era de 6 bilhões de euros no final de 2020. Critérios de exclusão cada vez mais restritivos para o setor de carvão, no sentido de uma disposição gradual, mas completa dos investimentos nessas atividades. A nova estratégia visa eliminar totalmente os emissores que operam no setor de carvão térmico da OCDE até 2030 e 2040 no resto do mundo. Descarbonização gradual da carteira de investimentos diretos para alcançar a neutralização de carbono até 2050. É consistente com a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais e com o compromisso assumido como parte da Net-Zero Asset Owner Alliance. Como meta intermediária para 2025, a Generali reduzirá as emissões de carbono do portfólio corporativo (títulos corporativos, ações listadas) em 25% e alinhará o portfólio imobiliário ao caminho de 1,5°C.

Subscrição:

Os novos objetivos incluem: redução da exposição mínima atual ao setor de carvão térmico a fim de atingir exposição zero até 2030 nos países da OCDE e 2038 no resto do mundo. Avançar com o compromisso de não mais segurar as atividades de upstream de petróleo e gás. Isto inclui o compromisso de não mais subscrever riscos associados à exploração e produção de combustíveis fósseis de areias betuminosas de depósitos de xisto (petróleo e gás) ou extraídos na zona ártica, ambos em terra e no mar.

Envolvimento dos stakeholders e Defesa da “Transição Justa”

Os novos objetivos incluem: compromisso em engajar os stakeholders em ter futuras emissões líquidas apoiando a “Transição Justa”. A Generali irá engajar, no mínimo, 20 investidas intensivas em carbono no portfólio de investimentos do Grupo até 2025 para impulsionar o impacto no mundo real.

Descarbonização das Operações do Grupo

Os novos objetivos incluem: ambição de se tornar clima negativo em 2040 com objetivo intermediário de alcançar a neutralidade climática em 2023. Em 2025, uma redução com base científica das emissões de gases de efeito estufa relacionadas aos escritórios, data centers e frota de carros da empresa em, pelo menos, 25% em comparação com a linha de base de 2019. Compra de energia de fontes 100% renováveis sempre que possível e mais compromisso de investir em eficiência energética.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.