Document
PATROCINADORES

Exame: como multiplicar o capital com propósito, segundo o CEO da EB Capital

Quando o rico gasta o seu dinheiro, está movimentando a economia, o que gera empregos e beneficia os pobres. Ao pagar seus impostos, ele também contribui para melhorar a vida das pessoas – ainda que, proporcionalmente à própria renda, quanto mais se ganha, menos imposto se paga. Essa é a justificativa de muitos empresários para o fato de terem em suas mãos muito mais dinheiro do que a maioria. Mas, é suficiente?

A resposta é um sonoro “não”, ao menos na visão de Eduardo Sirotsky Melzer, cofundador e CEO da EB Capital, gestora que administra 3,5 bilhões de reais em ativos. “Não tenho nenhum interesse em multiplicar meu capital, se isso não estiver atrelado a um desenvolvimento social”, disse o investidor à EXAME.

“Enquanto o empresário ficar alienado, apontando o dedo e achando que está cumprindo seu papel pagando imposto e gerando emprego, não vamos evoluir”, completa Melzer.

A EB Capital nasceu com dois compromissos inegociáveis: retorno e propósito. O primeiro, dá sustentabilidade à própria empreitada, afinal, sem retorno não há negócio. O segundo, é a essência da estratégia de investimentos da gestora. Nenhum tostão é aplicado sem que se tenha a clareza do impacto socioambiental positivo do empreendimento.

“Levamos fibra ótica para o interior do Brasil”, explica Melzer, usando como exemplo a investida EB Fibra. “A maioria pensa que se trata de inclusão digital, mas não é. O que fazemos é inclusão social”. A fibra leva a internet, que leva informação, educação, entretenimento e a possibilidade de se conectar à economia e fazer negócios. “Sem isso, as pessoas ficam isoladas, à margem da sociedade”, define.

Os outros negócios da EB seguem a mesma linha. Há investimentos em educação técnica, e-commerce de ferramentas e, neste ano, a gestora lançou um novo fundo, de 1 bilhão de reais, focado em cidades inteligentes, agricultura sustentável, reciclagem, trabalho do futuro, saúde inclusiva e gestão de resíduos. Todas as áreas estão alinhadas com o conceito de desenvolvimento socioambiental.

“Não estou pensando em uma empresa para cinco anos. É para 50”, afirma. “Como vou conseguir essa longevidade sem me preocupar com temas de longo prazo? Terei clientes no futuro, haverá gente disposta a trabalhar para mim, manterei minha cadeia de fornecedores? São perguntas que todo empresário deve se fazer.”

A sociedade com Pedro Parente

Em 2019, Pedro Parente, ex-presidente da BRF e da Petrobras, entrou para a sociedade, que também conta com Fernando Iunes e Luciana Ribeiro. Parente e Melzer se conhecem há algum tempo, já que trabalharam juntos entre 2003 e 2009. Há um grande alinhamento ideológico entre os dois.

“Existe uma constatação que é preciso ter um capitalismo social, digamos assim. Não é descuidar da sustentabilidade financeira das empresas, mas sim agregar outros aspectos à atuação empresarial”, afirmou Parente em entrevista à EXAME, dias antes da conversa com Melzer.

“A empresa que pensa que seu único objetivo é gerar lucro vai ficar fora do mercado por falta de consumidores. Até mesmo para a sobrevivência da empresa, ela vai precisar se dedicar aos aspectos ambiental, social e de governança. Os dois primeiros são requerimentos da sociedade e são mais relevantes. O último é voltado para os investidores”, completou o sócio.

Na EB Capital, ESG é o modelo de negócios e propósito é a estratégia.

Por Rodrigo Caetano

Publicado originalmente em https://invest.exame.com/esg/multiplicar-capital-proposito-eb-capital

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.