Document
PATROCINADORES

Bancos despertaram antes para as oportunidades sustentáveis, afirma especialista

Discutido por empresas e investidores, o termo ESG (do inglês, sustentabilidade, social e governança) não é novidade no setor bancário. É o que afirmou a especialista em finanças sustentáveis, Annelise Vendramini (imagem), durante o CIAB Febraban 2021 (Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras organizado pela Federação Brasileira de Bancos), nesta quarta-feira (23). Ela explicou que o setor discute o tema há anos empregando até outros termos, como economia circular e economia verde.

Vendramini explicou que não há uma tentativa de boicote à dita economia marrom – termo para setores tradicionalmente poluentes. O se consolida é a busca por formas de mitigação dos impactos socioambientais. “Os bancos observam onde alocar seus recursos”, disse.

O diretor de regulação do Banco Central (BC), Otávio Damaso, comentou que essa mudança aconteceu devido à demanda dos consumidores e investidores por produtos cada vez mais socialmente responsáveis. Isso exigiu das instituições profundas mudanças e proporcionou novos negócios. Aos reguladores, como o BC, é necessário avaliar os riscos e critérios para aquilo que se apresenta como sustentável.

Por fim, o country manager da IFC Brasil, Carlos Leiria Pinto, deixou claro que sem inovação não há política ESG que sobreviva. “O Brasil é um terreno fértil, tem fintechs e agrotechs”. Para ele, às fintechs cabe o papel social da inclusão financeira, enquanto as agrotechs permitem desenvolver tecnologias verdes, diminuindo os impactos do agronegócio. “Algo caro ao Brasil”, afirmou.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.