PATROCINADORES

Wilson Mello, da InvestSP: “Governo tem interagido com empresários para conter crise”

O presidente da InvestSP, Wilson Mello, falou nesta terça-feira (17) das ações do governo de São Paulo para enfrentar a crise da pandemia do novo coronavírus. Em call realizada por MONEY REPORT com a participação de 43 empresários, Mello destacou que a gestão João Doria (PSDB) tem interagido com o setor privado para encontrar soluções para o momento de incertezas e fazer a economia reagir.

Segundo o presidente da InvestSP, o setor aéreo, o turismo e o varejo em geral são os que mais têm sentido os efeitos do avanço da doença e os que mais estão pedindo ajuda.

“Algumas áreas estão sendo favorecidas no momento por conta de uma busca intensa de estocagem. Mas a grade maioria vai sofrer. Não há ambiente para as pessoas trocarem de geladeira, fogão, automóvel, entre outros itens de primeira necessidade”, disse.

Mello lembrou que na semana passada o governo estadual liberou R$ 200 milhões em crédito com condições especiais de financiamento para oferecer mais liquidez para as empresas paulistas. Ele declarou ainda que a gestão pode trabalhar com outras ações, como a desburocratização e a dispensa de algumas licenças. Na avaliação do presidente da InvestSP, outras medidas deveriam partir do governo federal.

“A ação estadual é limitada por conta da lei de responsabilidade fiscal. Estamos com o desafio de abrir espaço no Orçamento para saúde. Mas que tem poder de fogo mesmo é o governo federal, que pode emitir títulos da dívida e conviver com o déficit”, observou.

Na conversa, Wilson Mello defendeu ainda medidas de isolamento social e a restrição da circulação das pessoas para controlar o avanço da doença.

“O objetivo é que a contaminação seja linear, sem grandes picos que atrapalham o sistema de saúde. Se conseguirmos levar em um ritmo menor, não vai estressar o atendimento nos hospitais”, comentou.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.