Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Governo terá ‘queda brutal’ de arrecadação em 2020, aponta IFI

Governo terá ‘queda brutal’ de arrecadação em 2020, aponta IFI

A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado indicou uma redução de 12% na arrecadação do governo federal em 2020 em relação à previsão inicial para o ano, como consequência da crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus. O resultado é considerado “brutal”, segundo a análise publicada no Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF) de outubro. A previsão da arrecadação primária para 2020, estabelecida na Lei Orçamentária Anual, era de R$ 1,64 trilhão. Com a revisão mais recente feita pelo Executivo, a previsão caiu para R$ 1,45 trilhão. A diferença é de cerca de R$ 198 bilhões, soma que equivale seis vezes o custo do programa Bolsa Família no ano passado, segundo o Portal da Transparência. O desempenho pode ser ainda pior, conforme a IFI, porque o cálculo atual considera que todos os tributos diferidos pela União durante a pandemia serão pagos ainda em 2020. Na prática, isso não deve acontecer. A institução estima que os pagamentos serão cumpridos gradualmente entre 2021 e 2025, na forma de um refinanciamento. A queda na previsão da arrecadação atinge tanto as receitas administradas (impostos e contribuições) quanto as não administradas (concessões e permissões para o setor privado, exploração de recursos naturais e outras). Entre os tributos, o mais afetado é o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que deve trazer cerca de 33% menos recursos do que se esperava. No caso das receitas não administradas, o impacto se justifica pela exclusão das receitas previstas com a desestatização da Eletrobras, que não ocorreu, e pela redução no preço do petróleo.

Envie seu comentário

3 × três =