Document
PATROCINADORES

Economia e base aliada divergem sobre legitimação do orçamento paralelo

A parlamentares ligados ao Planalto querem incluir uma portaria interministerial que permita regularizar o chamado orçamento paralelo, que destina R$ 3 bilhões em emendas para políticos aliados. Parte desse montante foi empregado em compras suspeitas de caminhões e tratores superfaturados em até 250% acima da tabela. A iniciativa do governo é alvo de reportagem de O Estado de São S.Paulo desta terça-feira (25).

A manobra enfrenta resistência dentro do Ministério da Economia, uma vez que não há uma lei complementar ou trecho da Constituição que imponha a indicação dos congressistas para o uso de recursos. Sua adoção causaria insegurança jurídica, de acordo com integrantes da equipe econômica segundo a Economia. O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu abertura de investigação para apurar crimes de responsabilidade que envolvam a Presidência da República por causa disso. O prazo para regulamentar a execução das emendas termina em junho, o que explica a pressa nas articulações do Centrão. Há também pressão para que as regras sejam publicadas, destravando os recursos.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.