Pesquisar
PATROCINADORES
PATROCINADORES

Confiança dos consumidores recua 0,2 ponto

Resultado foi influenciado por uma piora da satisfação em relação a situação atual e manutenção das expectativas

Índice de Confiança do Consumidor (ICC) cedeu 0,2 ponto em novembro, para 93,0 pontos, menor nível desde junho deste ano (92,3 pontos). Em médias móveis trimestrais, o indicador recuou pelo segundo mês consecutivo, em 1,3 ponto, para 94,4 pontos. Os dados foram divulgados pela Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE) nesta sexta-feira (24).

“Em novembro, a confiança do consumidores acomodou após forte queda no mês anterior. O resultado foi influenciado por uma ligeira piora da satisfação em relação a situação atual e manutenção das expectativas. Entre as faixas de renda, os números são heterogêneos. Há uma queda intensa na confiança dos consumidores de classes de renda baixa, recuperação das faixas intermediárias e estabilidade na classe mais alta. Essas diferenças parecem estar relacionados a uma maior dificuldade financeira dessas familias, perspectivas mais pessimistas em relação ao emprego, com forte impacto na situação financeira futura e na sua capacidade de comprar bens duráveis.”, afirma Anna Carolina Gouveia, economista do FGV IBRE.

Em novembro, a acomodação da confiança foi influenciada pela estabilidade das avaliações sobre a situação atual e das perspectivas para os próximos meses. O Índice da Situação Atual (ISA) caiu pelo segundo mês consecutivo, agora em 0,4 ponto, para 82,1 pontos, e o Índice de Expectativas (IE) se manteve relativamente estável ao variar -0,1 ponto para 100,8 pontos.

Entre os quesitos que compõem o ICC, o que mede as perspectivas para as finanças familiares futuras foi o que apresentou maior contribuição para a queda da confiança no mês, ao cair 3,2 pontos, para 93,7 pontos, menor nível desde novembro de 2022 (92,5 pontos). A piora também foi observada no indicador que mede as perspectivas sobre a situação futura da economia que cedeu 0,3 ponto, para 110,9 pontos, também menor nível desde novembro de 2022 (110,6 pontos). Apenas o ímpeto de compras de bens duráveis apresentou resultado positivo no mês ao avançar 3,0 pontos, para 97,7 pontos, contrabalanceando o resultado do IE-C para uma estabilidade. 

Em relação as variáveis que medem a evolução no momento atual, o indicador que mede a avaliação sobre a situação econômica cedeu 0,8 ponto, para 90,6 pontos, menor nível desde julho deste ano (87,1 pontos) emquanto a percepção dos consumidores sobre a situação financeira das familias ficou estável em 73,9  pontos.

Faixa de renda

A análise por faixas de renda mostra queda expressiva na confiança dos consumidores de menor poder aquisitivo (com renda até R$ 2.100,00) e estabilidade para aqueles com maior poder aquisitivo (renda acima de R$ 9.600,01). A melhora da confiança dos consumidores entre as faixas 2 e 3 (entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800,00 e entre R$ 4.800,01 e R$ 9.600,00) é influenciado tanto nas avaliações sobre o momento quanto de perspectivas sobre o futuro.

(FGV)

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.

[monica]
Pesquisar

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.