PATROCINADORES

“Brasil é anêmico na produtividade e obeso no gasto público”

Otaviano Canuto, ex-diretor executivo do Banco Mundial e do FMI, hoje no comando do Center for Macroeconomics and Development, fala em entrevista a MONEY REPORT sobre os desafios do Brasil para se tornar um país de renda alta.

O Brasil é considerado um país de renda média, mas nos últimos anos vem empobrecendo. Nosso desafio se tornou mais difícil?

O Brasil é um país classificado pelo Banco Mundial como um país de renda média alta, pela renda per capita. Mas, há três décadas, o Brasil está num nível de crescimento médio. Não há perspectivas de superar a renda média no curto prazo. A volatilidade econômica do país cobra um preço alto no crescimento. Não é por acaso que Chile, Peru e Colômbia têm melhores índices de crescimento comparados ao Brasil.

Quais foram os países que conseguiram superar a renda média?

Nos últimos anos o Chile atingiu o patamar de economia de renda alta. Outros foram Coreia do Sul, Singapura, Hong Kong (China), Taiwan (China). E Portugal, Espanha e Grécia após a integração à zona do euro.

O que o Brasil pode aprender com estes países?

Uma questão comum entre as nações que transitaram da renda baixa para a média é o movimento de pessoas; população rural vai para as cidades, mesmo sem qualificação, e passa a operar tecnologia padronizada. Isso acontece no setor da indústria, mas não está restrito nele. Na América Latina, houve aumento de produtividade, mas o processo esgotou antes de o setor produtivo absorver toda a mão de obra. No Brasil, vemos as cidades crescendo, mas as pessoas não são incorporadas. Já na Coreia do Sul houve uma preocupação em elevar o nível educacional das pessoas enquanto ocorria esta transição. O Brasil acordou tarde para isso e sofre com a qualidade educacional. Outro fator que impacta é a gestão dos recursos públicos.

Isso tem relação com as despesas obrigatórias, que hoje consomem 93% do orçamento?

Nosso gasto público é uma fonte de privilégios, precisamos direcionar estes gastos para infraestrutura, para o país crescer. Há uma anemia na produtividade no Brasil e uma obesidade no gasto público. Precisamos criar um caminho para as reformas, como a da Previdência, que é um dos itens, mas não o único. Uma reforma administrativa seria essencial.

O Brasil é um país de baixa produtividade. É o motivo de sermos um país de renda média?

Desenvolvimento significa aumento de produtividade, e não é possível crescer com desempenho baixo. O Brasil cresceu nos últimos anos por dois motivos: incorporação de pessoas no mercado de trabalho e o preço favorável das commodities. Mas, já viramos a curva da evolução demográfica, não vamos crescer com mão de obra. As palavras chaves são: produtividade, educação, infraestrutura e um bom ambiente de negócios. O ambiente de negócios atual joga contra a produtividade das empresas.

Qual é a sua opinião sobre as reformas tributária e previdenciária?

Três coisas a serem observadas: simplificar o sistema tributário, tributos estaduais, municipais e federais. Harmonizar os regimes tributários onde as empresas operam, e menos regressividade dos impostos. Acho oportuna a evolução sobre impostos sobre o valor agregado. Mas, acredito que deve haver uma revisão em relação aos impostos sobre a renda.

Como o senhor avalia a economia brasileira?

Não vai ter milagre para o Brasil, estamos em um buraco profundo. Tudo isso já existia há muitos anos, mas certas condições favoráveis do cenário externo, como o preço das commodities, disfarçaram estes problemas estruturais. Houve tentativas de estender o “fôlego”, mas o incremento da dívida pública só complicou. A recuperação econômica deve ser lenta, mas devemos evitar a aceleração do crescimento de forma artificial para não cair em declínio.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Uma resposta

  1. Parabéns pela reflexão sobre o contexto econômico brasileiro. Convido o senhor para realizar mais uma palestra em Aracaju sobre a situação econômica do Estado de Sergipe no contexto brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 4 =

Pergunte para a

Mônica.