PATROCINADORES

“The Crown”: a Margaret Thatcher que conheci

A série “The Crown”, exibida pela Netflix, chegou à quarta temporada e novos personagens são introduzidos na saga da rainha Elizabeth – a primeira-ministra Margaret Thatcher e a princesa Diana. Tive o privilégio de conhecer a premiê em 1993, quando o então banco Garantia propôs à EXAME que firmássemos uma parceria para trazê-la ao Brasil. Fui encarregado pela revista, então, a acompanhá-la em alguns eventos durante sua estada no país – incluindo coordenar a entrevista coletiva que ela daria à imprensa nacional.

Por conta desses momentos em que estive com Thatcher, consigo enxergar brilhantismo no trabalho de Gillian Anderson (foto) ao assumir o papel da Dama de Ferro. Embora Lady Thatcher não tivesse uma voz tão rouca como a que a atriz utiliza, o ritmo e as micro pausas de suas frases são inacreditavelmente iguais. Os maneirismos, como a cabeça inclinada ao falar, são igualmente semelhantes.

Mas percebo duas falhas no roteiro ao retratar a primeira-ministra inglesa.

A primeira é apresentá-la como uma pessoa séria em 100 % do tempo. Ela, porém, se permitia a momentos de descontração (contida, é verdade – afinal, estamos falando de uma dama inglesa) e ironia. Sorria com pouca frequência, mas sorria. Já a personagem da série da Netflix nunca dá risada ou se alegra.

Pude notar que ela se divertia e dava sorrisos imperceptíveis quando uma ideia se formava em sua cabeça. No seminário em que EXAME organizou com o Garantia, por exemplo, um empresário perguntou por que ela defendia reduzir o Estado, se no Brasil ocorria o contrário. Vi o pequeno riso se formar e a resposta veio aguda: “Defendo um Estado pequeno e forte e o que me parece é que o que vocês têm no Brasil é exatamente o inverso, ou seja, um Estado grande e fraco”. Ela, então, abriu um largo sorriso e recebeu uma salva de palmas.

A outra imprecisão que percebi é não dar importância à curiosidade intelectual de Thatcher. Ela é retratada como uma workaholic compulsiva e sem interesses além do trabalho. Porém, pude observar, nesse exíguo tempo em que desfrutei de sua companhia, que ela tinha interesse genuíno pelas pessoas e por suas atividades, fazendo sempre perguntas pertinentes e interessantes a seus interlocutores.

Na interpretação de Gillian Anderson, nota-se um cuidado especial à movimentação dos lábios – de fato, uma característica marcante da chefe de Estado. Mas, para mim, o atributo físico que me marcou mais foi o olhar da premiê. Os olhos, de um azul escuro profundo, eram implacáveis. Durante sua entrevista coletiva, um jornalista que havia morado em Londres chamou a atenção para o crescimento de mendigos na cidade durante sua gestão. Ela negou. Observei, então, que havia estado recentemente na capital inglesa e que havia visto muitos sem-teto na estação de Charing Cross. Ele me fulminou com um olhar gelado e admitiu que havia alguns. Lembro até hoje daquele daquela espreitadela sombria. E confesso que demorei alguns segundos para voltar à temperatura normal depois de ter encarado aqueles “old blue eyes”.

Logo depois destes tensos segundos, houve um momento de descontração. A entrevista acabou e um fã da primeira-ministra, que tinha pintado um quadro dela, me pediu que eu o segurasse para que Lady Thatcher pudesse autografá-lo. Peguei a pintura e olhei para ela, sem dizer uma palavra. Maggie (seu apelido junto aos britânicos) sorriu, sacou a caneta que a assistente, uma moça simpática chamada Cinthia Crawford, lhe estendia e autografou a tela. Nessa hora, todos os cinegrafistas e fotógrafos se aproximaram. Apareci involuntariamente no Jornal Nacional como o fã que pedira um autógrafo à primeira-ministra inglesa.

Após essa coletiva, num intervalo que tivemos juntos, aproveitei para fazer algumas perguntas. Uma delas foi justamente sobre a diferença entre os presidentes Ronald Reagan e George Bush (pai). Thatcher nutria grande admiração por Reagan e vi seus olhos brilharem quando relatava casos que reforçavam a liderança e o savoir-faire do ator que se transformara em presidente. O olhar voltou à frieza normal quando começou a falar de Bush e narrou um conflito no Oriente Médio no qual Thatcher pedia uma intervenção dos Estados Unidos. Bush retrucou que precisava, antes, buscar o consenso dos demais países da Otan. Ela protestou e respondeu com uma frase que guardo até hoje: “O consenso é a negação da liderança”.

A última vez que estive com ela foi num almoço realizado no palacete erguido por Veridiana Prado em 1884 e que hoje serve como sede do Iate Clube de Santos em São Paulo. Antes da refeição, haveria um coquetel. O que servir a ela? Jorge Paulo Lemann matou a charada com alguns telefonemas e descobriu que Thatcher gostava do uísque The Famous Grouse, devidamente comprado para acompanhar os canapés.

Começou o serviço e me instalei em uma roda com empresários que conhecia. Passou o garçom, oferecendo bebidas. Um pediu um guaraná; outro um suco de tomates. Escolhi uma dose do Famous Grouse sem gelo. A Dama de Ferro chegou até essa rodinha e olhou para os copos, decepcionada: “Esses homens não bebem?”, perguntou ela. Dei um sorriso e mostrei meu cálice. Ela quis uma dose do mesmo uísque e assistiu, impávida, os empresários pedirem atabalhoadamente um scotch para fazer companhia àquela mulher poderosa. Só que preferiram o Johnnie Walker Black Label que estava na bandeja do garçom. E ainda exigiram gelo e club soda para diluir a bebida. Foi o suficiente para que ela não os levasse a sério.

Ela balançou a cabeça brindou apenas meu copo – um brinde acompanhado de uma piscadela. Tomou alguns goles, fez perguntas sobre as empresas de quem a cercava e, minutos depois, se despediu, para se ajeitar em seu lugar na mesa e proferir um speech completamente diferente da palestra do dia anterior.  

Thatcher foi uma figura criticada pela esquerda por seu conservadorismo e por um episódio no qual vetou sanções econômicas ao regime racista da África do Sul (devido ao superávit comercial de exportações que o Reino Unido tinha com aquele país). Mas foi ela quem conseguiu recolocar a Inglaterra nos trilhos e mostrou que o caminho para a prosperidade passa necessariamente pelo enxugamento do Estado, redução das despesas públicas e fortalecimento da iniciativa privada. Por essa proeza e por ser uma fã do Famous Grouse, ela está em meu Panteão de pessoas inesquecíveis. Estes também são os motivos para que eu recomende fortemente a atual temporada de “The Crown”. Trata-se daquele momento em que acontecimentos históricos se transformam em diversão de primeira qualidade.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 4 =