PATROCINADORES

Sua vida on-line é mais interessante que a real?

O.K., estamos em plena pandemia e a circulação livre de pessoas se tornou algo condenável. Uma simples reunião de seis pessoas pode gerar críticas fortíssimas ou, o que é pior, desencadear todo o tipo de cancelamento – desligamento de grupos, perda de seguidores ou até demissão de empregos. Assim, é natural que, nessa época, as pessoas se comuniquem mais através do mundo on-line que no real. Até aí, tudo bem. Estamos no território da normalidade.

Mas e quando as pessoas sentem um vício irresistível e experimentam uma ansiedade enorme para abrir as redes sociais e ler os posts dos grupos que participam? Pior que isso: e quando as pessoas consideram essas interações digitais mais importantes que sua vida real?

Tenho uma filha de doze anos e convivo com essa obsessão pelo mundo digital diariamente. Percebo que, no caso dela e de algumas amigas, há quase que uma dependência em relação às redes sociais. Muitos diálogos se dão através de grupos de WhatsApp, mensagens de Twitter e comentários de TikTok. Os jovens de hoje atuam com desenvoltura em várias plataformas e têm de lidar com vários assuntos ao mesmo tempo.

Ainda sobre a minha filha: em plena praia, ela é capaz de ficar horas olhando para a telinha de seu smartphone, à parte do mundo que a cerca. O celular somente é posto de lado após uma bronca caprichada. Ontem mesmo, houve até a proibição de se mexer no aparelhinho. Sua única diversão foi ler um livro. No início, reclamou. Mas depois engatou na leitura e foi até a última página, lendo mais no dia de ontem do que na última semana inteira somada.

Esse fenômeno, no entanto, não ocorre apenas com crianças e adolescentes – adultos também estão dependentes de seus mundinhos digitais. Alguns têm maior foco nos grupos de WhatsApp. Comentam boa parte dos posts e se preocupam com sua imagem, criando uma espécie de persona digital. Outros, no entanto, têm a mania de criar uma espécie de diário on-line de tudo o que faz em aplicativos como o Instagram e o Facebook.

Enquanto os grupos permitem discussões com ambições intelectuais, Insta e Face (para os íntimos) são alternativas mais hedonistas, leves ou até com uma pitada de ostentação. Como no WhatsApp, essas ferramentas também provocam dependência. Usuários entram e saem dessas páginas, dando “refresh” em suas telas indefinidamente. Aliás, quando alguém têm mais de mil seguidores (ou segue uma quantidade semelhante de contas), é possível passar o dia inteiro à frente dessa telinha, seja como voyer (observando o que os outros postam) ou como alguém interativo e opinativo (o que pode soar chato para certas pessoas).

Todas as redes, no entanto, têm um ponto em comum: os usuários estão, em algum momento, atrás do que os jovens chamam de “biscoitagem”. O que quer dizer essa gíria? Sabe o cachorro que faz todos os truques em troca de um biscoito? Bem, foi essa imagem que inspirou o termo, usadíssimo nas redes.

A “biscoitagem” faz alguém postar alguma coisa com o intuito de gerar elogios ou curtidas. Aparentemente, não há mal algum nisso – e, sinceramente, todos já fizeram esse tipo de coisa. Eu, você e as torcidas de Flamengo, Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Grêmio somadas.

O problema não é exatamente o comportamento em si, mas ficar dependente das curtidas e criar uma rotina apenas para satisfazer a audiência digital. Esse tipo de situação gera uma dependência quase química. Quando um post bomba, determinados usuários sentem um prazer enorme. E, assim, ficam presos nesse moto-contínuo.

O mesmo vale para os elogios recebidos em grupos de WhatsApp. Trata-se de uma roda digital de bate-papo. Mas muitos de nós encaram esses grupos como o ponto alto de suas vidas. Quando isso ocorre, no entanto, é porque o mundo real está chato demais. Hora, portanto, de reavaliar seus conceitos, como dizia uma propaganda antiga. Ou permanecer em uma vida que não lhe pertence.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =