Document
PATROCINADORES

Novaes se sente frustrado por não poder privatizar o Banco do Brasil

Em entrevista ao jornal O Globo, o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, afirmou que se sente frustrado por não conseguir privatizar o banco o mais rápido possível. “Não porque eu seja liberal, porque seja um dogma filosófico”, disse. “É porque estou convencido de que seria o melhor caminho para o Banco do Brasil, para que ele possa se adaptar aos novos tempos da atividade bancária”.

A possibilidade de venda do BB ao setor privado, segundo Novaes, deverá ficar para um eventual segundo mandato do presidente Jair Bolsonaro, em 2023. “O presidente entende que hoje você não reúne condições de poio político para fazer a privatização. Ele entende que o Congresso não está pronto para apoiar a privatização. O problema é que o BB perdeu todos os bônus de ser público e ficou só com o ônus (…). Ele tinha a folha de pagamento de todo o setor público, a administração de todos os depósitos judiciais e, de repente, tudo isso é definido por meio de concorrência e você tem de pagar caro para ter. Aí, ficou só o lado travado”.

Por que é importante

Um dos maiores ativos do setor público, o Banco do Brasil teve alta no valor de suas ações depois que o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a instituição estava pronta para ser privatizada

Quem ganha

Caso seja privatizado, os acionistas do banco, que deverão ser beneficiados por uma gestão mais ágil, enxuta e focada em resultados

Quem perde

O lobby do funcionalismo público

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Uma resposta

  1. Vários presidentes conduziram o Banco do Brasil para o grande Banco que é hoje, só o senhor não consegue fazer isso. Interessante… Aquele velho ditado que desfaz quer comprar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.