PATROCINADORES

15 aeroportos; 4 anos para a Petrobras; “O capitalismo não é o problema”

MONEY REPORT mostra as iniciativas e ideias liberalizantes e modernizadoras ao ambiente de negócios

Anac aprova leilão da 7ª rodada de aeroportos para 18 de agosto

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) afirmou na segunda-feira (6) que o leilão de concessão da 7ª rodada de aeroportos, que inclui o terminal de Congonhas, na capital paulista, e mais 14 ativos, foi agendado para 18 de agosto. Serão leiloados em blocos 15 aeroportos nas regiões Norte, Sudeste e Centro-Oeste. O leilão ocorrerá na B3, em São Paulo. A autarquia aprovou as minutas do edital e dos contratos da rodada, segundo comunicado em seu site. O Tribunal de Contas da União (TCU) havia dado o aval para os termos do certame na semana anterior.

Privatizar Petrobras levaria 4 anos

O presidente Jair Bolsonaro avaliou na segunda-feira (6) a privatização da Petrobras como “muito difícil” e estimou que o processo de venda da empresa poderia levar até quatro anos. O presidente emendou que uma eventual desestatização dependeria de um modelo correto, lembrando ser impossível simplesmente vender a empresa pelo maior lance. Na entrevista, o presidente reiterou alegações de que os lucros da ptrolira estão inflacionados e que, enquanto o governo tenta fazer mudanças, enfrenta a resistência de uma “burocracia massiva”.

SP vai conceder a orla da Guarapiranga

O município de São Paulo lançou duas propostas para requalificar áreas na orla da represa de Guarapiranga, no extremo da zona sul. O objetivo é incentivar o turismo ecológico e náutico. Uma das propostas prevê a concessão à iniciativa privada de sete parques: Guarapiranga, Barragem da Guarapiranga, Praia do Sol, Linear Castelo, Linear Nove de Julho, Linear São José e o novo parque Praia São Paulo. Parques lineares são áreas públicas de lazer que beiram nascentes, riachos e córregos, servindo como várzeas durante as cheias, o que protege as áreas urbanas adjacentes.

________________________________________________

Informe Publicitário

________________________________________________

Eletrobras estabelece valor de mercado de R$ 34 bilhões

A diretoria executiva da Eletrobras estabeleceu o preço de R$ 42 por ação no processo de bookbuilding – quando se avalia a demanda do mercado – para a privatização da estatal. Pelo valor fixado, o montante deve atingir R$ 33,7 bilhões com a venda dos lotes extras de ações. Na parcela primária da oferta, a companhia deve captar R$ 30,76 bilhões. Nesta sexta-feira (10), os ADRs – certificados de ações emitidos por bancos dos Estados Unidos – começam a ser negociados na Bolsa de Nova York. O início das negociações dos papéis na B3 será em 13 de junho. 

Zitelmann mostra o lado prático do liberalismo

O historiador e sociólogo Rainer Zitelmann é um dos maiores estudiosos do liberalismo e acaba de lançar no Brasil o livro “O capitalismo não é o problema, é a solução”. Nesta conversa com MONEY REPORT ele fala de seu trabalho e dá exemplos concretos de países que prosperaram ao reduzir o custo de suas estruturas e diminuir os impostos cobrados à população.

A arte e a cultura são mercadorias como quaisquer outras

Mesmo quem aceita uma boa dose de mercado nas atividades humanas tende a torcer o nariz quando se trata de cultura. Especialmente os artistas. Lembro de ver Vaclav Havel — o escritor, intelectual e dramaturgo que se tornou o primeiro presidente Tchecoslováquia pós-comunismo — em um debate com o Bill Clinton fazer os elogios de costume ao mercado, para depois explicar que, em se tratando de arte, a mão invisível não bastava. Era necessário algum tipo de controle do governo. A produção do artista, seja ele um cineasta, um músico, um pintor ou um diretor de teatro, por algum motivo obscuro, já nasce com uma distinção moral. Parece suja quando feita por dinheiro, para ser comercializada, trocada por outra coisa. O grande artista faz a arte pela arte, não a arte por um carro ou uma passagem de avião.

Duas medidas cruciais para reduzir o inferno fiscal e aumentar a produtividade

Duas iniciativas importantes da Secretaria de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia foram discutidas recentemente pelos agentes políticos: 

1) isenção tributária para estrangeiros em investimentos em renda fixa;

2) redução generalizada do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

Ambas são positivas — e até mesmo cruciais — para a competitividade brasileira.  Impostos são custos artificiais implantados pelo estado. Consequentemente, uma redução de impostos reduz os custos das empresas e, consequentemente, afeta para baixo os preços ao consumidor. Adicionalmente, menos custos artificiais facilitam mais investimentos e, logo, mais empregos.

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.