PATROCINADORES

Trump se mantém ao lado da Arábia Saudita apesar de assassinato de jornalista

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu nesta terça-feira se manter um “parceiro firme” da Arábia Saudita apesar de dizer que o príncipe herdeiro saudita Mohammad bin Salman poderia estar ciente do plano para assassinar o jornalista dissidente Jamal Khashoggi no mês passado. 

Desafiando a pressão dos parlamentares norte-americanos para impor sanções mais duras à Arábia Saudita, Trump também disse que não cancelaria os contratos militares com o reino, pois seria uma medida “tola” que beneficiaria apenas a Rússia e a China.

Trump disse que agências de Inteligência dos Estados Unidos ainda estão estudando as evidências no caso do assassinato de Khashoggi no interior do consulado saudita em Istambul no dia 2 de outubro, e quem teria planejado o crime. 

“Nossas agências de inteligência continuam avaliando todas as informações, mas poderia ser que o príncipe estava ciente deste trágico evento – talvez ele soubesse e talvez não!”, disse Trump em um comunicado emitido pela Casa Branca. 

Fontes de inteligência dizem que no entendimento da CIA a morte de Khashoggi foi ordenada diretamente pelo príncipe herdeiro, que é o líder de fato a Arábia Saudita e que é conhecido amplamente por suas iniciais “MbS”. 

Parlamentares democratas e republicanos exigem que Trump deixe de apoiar MbS, mas o presidente tem relutado.

Trump disse na terça-feira que tanto o rei saudita Salman e príncipe herdeiro “vigorosamente negam qualquer conhecimento do planejamento ou da execução do assassinato”, e que a verdade pode nunca ser conhecida. 

Ele também ressaltou que a Arábia Saudita, uma grande produtora de petróleo, é uma importante parceira comercial e uma “grande aliada” na luta contra o poder iraniano no Oriente Médio. 

“Os Estados Unidos tem a intenção de continuar sua firme parceria com a Arábia Saudita para garantir os interesses do nosso país, de Israel e de todos os nossos outros parceiros na região”, disse Trump. 

Seus comentários foram rapidamente criticados por parlamentares democratas. 

Adam Schiff, que deve se tornar o líder do Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados em janeiro, disse que os Estados Unidos deveriam imediatamente encerrar seu apoio à Arábia Saudita na guerra do Iêmen e suspender as vendas de armas para o reino. 

“O presidente acrescenta ao seu currículo ignorar suas próprias agências de inteligência, minando os valores americanos aqui e fora do país, ao dar à Arábia Saudita um passe livre para o assassinato brutal e premeditado de um jornalista residente nos Estados Unidos. Absurdo”, disse o senador democrata Dick Durbin, em um post no Twitter.

Alguns dos colegas republicanos de Trump também prometeram retirar seu apoio ao presidente e buscar ações mais firmes dos EUA contra a Arábia Saudita. 

O deputado Francis Rooney, um republicano que integra o Comitê de Assuntos Exteriores, disse que Washington deveria aplicar o chamado Ato Magnitsky aos responsáveis pela morte de Khashoggi, que prevê congelamento de bens e proibição de viagens, entre outras medidas, para aqueles que violam os direitos humanos.

Trump coloca sua aliança com a Arábia Saudita no centro de sua política para o Oriente Médio. O país foi o primeiro visitado após o início de sua presidência em 2017. 

Jared Kusner, genro de Trump, desenvolveu uma relação pessoal com MbS, e Trump sempre elogia o valor econômico das conexões com a Arábia Saudita, principalmente em relação às vendas de armas. 

“Se nós tolamente cancelarmos esses contratos, a Rússia e a China se beneficiariam enormemente – e ficariam muito felizes de conseguir essas novas oportunidades de negócio. Seria um maravilhoso presente para eles diretamente dos Estados Unidos”, disse Trump em comunicado na terça-feira. 

(Reportagem de David Alexander, Susan Heavey e Mohammad Zargham) 

tagreuters.com2018binary_LYNXNPEEAJ1IM-VIEWIMAGE

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 4 =

Pergunte para a

Mônica.