PATROCINADORES

Manifestantes iranianos gritam “Morte à América” antes da volta das sanções dos EUA

Por Parisa Hafezi

DUBAI (Reuters) – Iranianos gritando “Morte à América” protestaram neste domingo para marcar tanto o aniversário da tomada da embaixada dos EUA durante a Revolução Islâmica de 1979 quanto a iminente reimposição de sanções norte-americanas sob o setor de petróleo do Irã.

Milhares de estudantes no ato organizado pelo governo na capital Teerã, transmitido ao vivo pela televisão estatal, queimaram a bandeira norte-americana, uma efígie do Tio Sam e fotos do presidente Donald Trump do lado de fora do complexo arborizado do centro da cidade que já abrigou a missão dos EUA.

Estudantes linha-dura invadiram a embaixada norte-americana em 4 de novembro de 1979 logo após a queda do Xá apoiado pelos Estados Unidos, e 52 norte-americanos foram mantidos reféns por 444 dias. Os dois países têm sido inimigos, de lados opostos do conflito do Oriente Médio, desde então.

A imprensa estatal iraniana afirmou que milhões compareceram aos atos na maioria das cidades do país, jurando fidelidade ao establishment clerical e à sua autoridade de linha-dura, o líder supremo aiatolá Ali Khamenei. O número participantes nos atos não pôde ser confirmado de maneira independente pela Reuters.

Manifestações repletas de cantos da “Morte à América” são encenadas no aniversário da tomada da embaixada todos os anos. Mas o rancor entre Estados Unidos e Irã é especialmente forte desta vez, após a decisão de Trump, em maio, de retirar os Estados Unidos do acordo nuclear das potências mundiais com o Irã de 2015 e reimpor as sanções à Teerã.

O acordo havia levantado a maioria das sanções financeiras e econômicas internacionais contra o Irã, em troca de Teerã frear sua atividade nuclear sob a vigilância da ONU.

Entre os eventos realizados no aniversário da tomada da embaixada estava uma exposição de desenhos animados chamada “Donald Salman” – uma referência aos laços estreitos entre o presidente dos EUA e o rei Salman, governante do arquirrival do Irã para predominância regional, a Arábia Saudita.

“Meus desenhos estão focados em três temas: o regime sionista (Israel), Al Salman (família real saudita) e o governo dos Estados Unidos”, disse o artista Masoud Shojaei Tabatabai à TV estatal em Teerã.

“É humor negro, mas o público também pode ser levado a refletir sobre as contradições no comportamento de Trump e Al Saud”, disse ele, em frente a um desenho mostrando uma velha figura de cadeira de rodas vestida como um super-herói de quadrinhos.

A restauração das sanções norte-americanas na segunda-feira contra os setores bancários e de venda de petróleo do Irã faz parte de um esforço mais amplo de Trump para forçar Teerã a suspender seus programas nucleares e de mísseis balísticos, bem como o apoio que dá a forças em conflitos no Oriente Médio.

O principal comandante da Guarda Revolucionária de elite do Irã, major general Mohammad Ali Jafari, disse no comício em Teerã que o Irã resistiria e derrotaria a “guerra psicológica” dos EUA e o retorno das sanções norte-americanas para prejudicar as exportações de petróleo e as instituições financeiras da República Islâmica.

“Os Estados Unidos lançaram uma guerra econômica e psicológica como último recurso … Mas as tramas dos Estados Unidos e seus planos de sanções serão derrotados pela contínua resistência”, disse Jafari.

Em um discurso no sábado, Khamenei disse que as políticas de Trump enfrentam oposição em todo o mundo. “O objetivo dos EUA tem sido restabelecer a dominação que tinha (antes de 1979), mas tem fracassado. A América foi derrotada pela República Islâmica nos últimos 40 anos”, disse ele. 

 

(Reportagem adicional de Redação Dubai)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 4 =

Pergunte para a

Mônica.