PATROCINADORES

Ao armar população, Brasil corre risco de virar Estado miliciano, diz Haddad

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, voltou a criticar nesta sexta-feira a proposta do adversário no segundo turno, Jair Bolsonaro (PSL), de armar a população e disse que há o risco de se criar um Estado miliciano no país.

Haddad argumentou que a população em geral não está preparada e capacitada para usar armas de fogo e o Estado é que tem que ser o responsável por prover segurança.

“Se ele levar em frente essas ideias, estamos num grande risco, que é aumentar violência em vez de diminuir e a privatização da segurança pública vai gerar mais violência”, disse Haddad a jornalistas, ressaltando que, se eleito, vai assumir a responsabilidade pela segurança pública.

O petista disse que a manutenção do teto dos gastos públicos vai piorar ainda mais a situação, impedindo a contratação de pessoal.

“Não é armando a população e não contratando que vai resolver… esse caldeirão vai piorar e aí sabe o que acontece? Vira um Estado miliciano”, disse.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

tagreuters.com2018binary_LYNXNPEE9I1FH-VIEWIMAGE

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + catorze =

Pergunte para a

Mônica.