PATROCINADORES

No Banco Mundial, Weintraub critica Todos Pela Educação

Ex-ministro da Educação e há pouco empossado diretor do Banco Mundial, Abraham Weintraub foi ao Twitter na noite desta sexta-feira (7) criticar a presidente-executiva da organização Todos pela Educação (TPE), Priscila Cruz, assim como os fundadores da entidade. Alguns deles já falecidos, como o ex-ministro da Educação Paulo Renato Souza, a filantropista Zilda Arns e a professora universitária e ex-primeira-dama Ruth Cardoso.

Priscila Cruz (imagem abaixo) participou de um debate na TV Senado, na manhã de sexta-feira (7), sobre a volta às aulas durante a pandemia e o novo Fundeb. Weintraub não se preocupou com os temas, que afetam milhões de brasileiros. Sua atenção foi direcionada à suposta simpatia que Cruz teria pelo blogueiro Felipe Neto, que criticou o governo Bolsonaro em entrevistas e em um vídeo de repercussão publicado no site do The New York Times. Felipe Neto é alvo de uma campanha de ódio por parte da ala ideológica do bolsonarismo, sendo tachado de pedófilo em vídeos manipulados.

Abraham Weintraub escreveu: “Vejam os CPFs de quem manda no Brasil. “Todos Pela Educação” é um nome bonito, porém, a presidente Priscila Cruz considera Felipe Neto ótima influência para as crianças! Essa organização é das mais poderosas na Educação. Veja a lista dos fundadores.” Entre sócios fundadores estão alguns dos sobrenomes mais prestigiados e progressistas do mundo empresarial brasileiro: Feffer, Gerdau Johannpeter, Klein, Lafer Piva, Lemann, Marinho, Mindlin, Setúbal, Sirotsky e Villela, só para ficar em alguns. Em março, depois de ser criticado, o então ministro afirmou que Cruz, “fã de Paulo Freire” e de Drauzio Varella, tentava derrubá-lo do cargo.

A TPE tem como objetivos fundamentais ampliar e melhorar a educação básica no Brasil até 2022, quando será comemorado o bicentenário da independência. Um dos pilares do Banco Mundial, onde Weintraub atua, também é melhorar o ensino nos países em desenvolvimento. O ex-ministro deixou a pasta e foi viver nos Estados Unidos, onde evitará responder judicialmente pelas ofensas que proferiu contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) durante uma reunião de cúpula do governo.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 14 =