PATROCINADORES

Ministério da Educação vira dor de cabeça para Bolsonaro

A possível indicação de Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, como futuro ministro da Educação deixou a bancada evangélica no Congresso insatisfeita. O nome do educador para comandar a pasta ganhou força na quarta-feira (21), mas a reação dos parlamentares fez com que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) publicasse uma mensagem no Twitter afirmando que a escolha ainda não havia sido consolidada. A bancada reclama que Mozart não seria alinhado com o Escola Sem Partido (plataforma defendida pelos evangélicos) e poderia travar o avanço de pautas conservadoras no ministério.

Por que é importante

Bolsonaro pode ter problemas com a bancada evangélica no Congresso se insistir na nomeação de Mozart Neves Ramos

Quem ganha

Com o impasse, ganhou força o nome do educador colombiano Ricardo Vélez Rodriguez, professor associado da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG)

Quem perde

O diretor do Instituto Ayrton Senna, já que a indicação dele deve ser revista

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 5 =

Pergunte para a

Mônica.