Document
PATROCINADORES

Quebra de 15% na safra de milho reduz de novo a projeção do agro

O impacto da estiagem na segunda safra de milho, que deve ter uma queda de 15,5%, e o decorrente aumento dos custos na pecuária leiteira fizeram com que o Instituto de Economia Aplicada (Ipea) reduzisse mais uma vez a estimativa de crescimento do produto interno bruto agropecuário de 2021. A expansão caiu de 1,7% para 1,2%. As culturas de cana-de-açúcar (-3,7%) e café (-21,1%), em parte direcionadas para exportação, também tiveram suas projeções afetadas pelas condições climáticas.

Em contrapartida, estão mantidas as elevações nas produções de soja (10,1%), arroz (4,3%) e trigo (32,9%). A produção animal também foi revista de 1,8% para 1,2% este ano, mesmo com avanço na produção de aves (6,8%), suínos (8,7%) e ovos (1,4%). Dois produtos com maior participação no valor adicionado têm perspectiva negativas para 2021: bovinos (-0,9%) e leite (-0,4%).

Para 2022, a estimativa foi ligeiramente revisada de 3,3% para 3,4% no valor adicionado do setor agropecuário, com crescimento de 2,2% na produção animal e 3,9% na produção agrícola. “Há perspectiva positiva por conta de expectativas de crescimento nas culturas de soja e milho; de recuperação do crescimento da produção de bovinos (após dois anos consecutivos de queda) e de nova alta estimada para a produção de suínos”, destacou o Ipea, em nota. O instituto aponta que para 2022 ainda há incertezas sobre o ciclo climático e seus efeitos na safra, sua intensidade e sobre a produção vegetal. Por outro lado, o cenário é de normalização da oferta de bovinos.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.