Document
PATROCINADORES
PATROCINADORES

Inflação nos EUA desacelera, mas permanece em alta

Fed deve aumentar acentuadamente as taxas de juros na tentativa de segurar os preços

Os preços ao consumidor nos EUA subiram a um ritmo anual de 8,3% em abril, mais do que as expectativas dos economistas e mantendo-se na máxima de quatro décadas. Embora o índice de preços ao consumidor tenha se moderado pela primeira vez em oito meses – foi um passo abaixo do aumento de 8,5% registrado em março – ficou ligeiramente acima das expectativas dos economistas de um aumento de 8,1%.

Ainda assim, trata-se da primeira desaceleração da taxa anual do CPI em oito meses, refletindo a moderação dos preços de energia, que subiram 30,3% em abril em relação a um ano antes. Já os preços de alimentos cresceram 9,4% na mesma comparação, na maior alta anual desde abril de 1981.

Os dados sacudiram o mercado de US$ 22 trilhões para títulos do governo dos EUA, elevando os rendimentos. O rendimento do Tesouro de dois anos, mais sensível às perspectivas para a política monetária, saltou em um ponto cerca de 0,12 ponto percentual para 2,73%, antes de cair para 2,67%. A nota de referência de 10 anos ficou em torno de 3%, depois de subir rapidamente também. As ações dos EUA ficaram negativas após o relatório.

Além do salto nos preços do ano passado, os preços ao consumidor subiram mais 0,3% em relação ao mês anterior. Isso foi mais lento do que o aumento de 1,2% registrado em março, impulsionado pelo aumento dos custos de energia e alimentos ligados à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Fed e Biden

Os números surgem no momento em que o Federal Reserve está se movendo para aumentar acentuadamente as taxas de juros, na tentativa de trazer os preços de volta ao controle. O ritmo dos aumentos das taxas e os temores de que possam desencadear uma recessão assustaram os investidores e deixaram os mercados de ações cambaleando.

O aumento do custo de vida tornou-se uma questão política importante enquanto os EUA se preparam para as eleições de meio de mandato de novembro. O aumento dos preços abalou os índices de aprovação de Joe Biden. Esta semana, uma pesquisa do Investors Business Daily/TIPP descobriu que a aprovação de Biden havia caído para 39%, aproximando-se de seu recorde anterior de 38% estabelecido em fevereiro, e a confiança na economia dos EUA estava perto de uma baixa de oito anos.

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.