PATROCINADORES

Confiança da construção cai 1,4 ponto em maio

Índice de Situação Atual recuou 1,9 ponto e foi influenciado pela piora das avaliações dos empresários

O Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu 1,4 ponto em maio, para 96,3 pontos, após alta em abril. Em médias móveis trimestrais, o índice continua ainda em terreno positivo ao avançar 0,9 ponto. Os dados são da Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE) desta quinta-feira (26).

“A queda da confiança em maio corrigiu um pouco o otimismo do mês passado, mas na comparação interanual, a diferença se mantém significativa em favor de 2022. Dessa forma, a percepção do empresário da construção é que, a despeito da forte alta das taxas de juros e dos custos em elevação, a situação em 2022 ainda é mais favorável. Nesta comparação com 2021, um grande destaque é a percepção em relação ao nível de atividade, que vem sendo confirmada pelo aumento do emprego com carteira. Esse desempenho reflete o ciclo de negócios de 2020 e 2021. E as expectativas, moderadamente otimistas, sugerem uma resiliência maior da demanda setorial,” observou a coordenadora de Projetos da Construção do FGV IBRE, Ana Maria Castelo.

A queda do ICST, neste mês, foi influenciada principalmente pela piora na avaliação sobre o momento atual. O Índice de Situação Atual (ISA-CST) recuou 1,9 ponto, para 92,5 pontos, após ter subido por dois meses consecutivos e foi influenciada principalmente pela piora das avaliações dos empresários sobre a situação atual dos negócios, que caiu 3,2 pontos, para 89,7 pontos, menor nível desde julho de 2021 (88,3 pontos). Já o indicador que mede carteira de contratos cedeu 0,4 ponto, para 95,4 pontos. Do lado das expectativas, o Índice de Expectativas (IE-CST) retraiu 0,7 ponto, para 100,3 pontos, permanecendo ainda acima de 100 pontos (nível neutro). Esse resultado decorre do menor otimismo em relação às perspectivas sobre a demanda nos próximos três meses, que caiu 0,9 ponto, para 102,5 pontos, e da queda de 0,5 ponto do indicador que mede a tendência dos negócios nos próximos seis meses, para 98,0 pontos. O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) da Construção ficou relativamente estável ao variar 0,2 ponto percentual (p.p), para 76,0%. O Nuci de Mão de Obra e Nuci de Máquinas e Equipamento seguem direções opostas: o primeiro subiu 0,5 p.p., para 77,5%, e o segundo diminuiu cedeu 0,6 p.p., para 71,6%.

Segmentos mais confiantes

Na comparação interanual, o Índice de Confiança (ICST) subiu 9,2 pontos, sendo que a maior contribuição para esse movimento veio do segmento de Edificações (residenciais e não residenciais), que tem o maior peso dentro do ICST. Ainda assim, o segmento se mantém no patamar de pessimismo moderado (índice abaixo de 100). Vale destacar que os segmentos de Serviços Especializados: Preparação de Terrenos, que representa o início do ciclo de atividade, mantém a percepção otimista em relação ao ambiente de negócios e as Obras de Acabamento continuam em alta revelando que a etapa final do ciclo se mantém em evidência. Mas em relação a 2021, a maior alta foi registrada no segmento de Obras Viárias, segmento que reflete a aceleração dos investimentos no ano eleitoral, avaliou Ana Castelo.

(FGV)

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.