Document
PATROCINADORES
PATROCINADORES

Em 2021, B3 só não perdeu mais investimentos que a bolsa venezuelana

As incertezas econômicas, fiscais e políticas que rondam o cenário doméstico em meio à crise de saúde pública global refletem de maneira agressiva no índice de referência da bolsa de valores de São Paulo, a B3. Em 2021, o mercado brasileiro só teve um desempenho melhor que a bolsa da Venezuela, a IBC, conforme a agência de classificação de risco Austin Rating, a pedido do portal G1 e publicado nesta sexta-feira (3).

O levantamento comparou 79 índices internacionais em bolsas de 78 países (os Estados Unidos possuem dois índices de referência) de janeiro até o fechamento de novembro. Na contramão do mercado internacional, que apesar da pandemia registrou ganhos com as retomadas em meio fortes campanhas de imunização, apenas 9 índices acumularam perdas. De acordo com a medição, nos 11 primeiros meses de 2021, a B3 caiu 14,4% e a IBC, 99,5% – a Venezuela se encontra em um quadro de hiperinflação. Nos EUA, mercado ações de referência global, o Dow Jones acumulou alta de 12,67% até novembro, e o Nasdaq, avanço de 20,56%.

Também há surpresas. Os melhores desempenhos do ano foram das bolsas da Mongólia e do Zimbabué, com saltos de 104% e 305%, respectivamente. A justificativa para os percentuais elevados é que se tratam de economias de pouca desenvoltura, então qualquer aumento de volume provoca saltos. Conhecida por suas sucessivas crises econômicas e ameaças de calote, A Argentina está entre os países da América Latina com melhor desempenho, 69,1% no índice S&P Merval Argentina.

5 meses seguidos de baixas

Enquanto alguns países parecem reter o interesse dos investidores, o Brasil afungenta até mesmo os investidores com sede por risco, mas sem apetite por incertezas. O Ibovespa registrou em novembro o quinto mês seguido de baixa, aos 101.867 pontos, acumulando nos 11 primeiros meses de ano queda de 14,4%.

Nesta quinta-feira (2), o índice fechou em alta de 3,66%, aos 104.466 pontos, recuperando uma pequena parte das perdas, e passando a acumular queda de 12,23% no ano. A alta se deu após as resoluções políticas e fiscais da proposta de emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios 23/2021 – em processo de promulgação na Câmara.

O índice começou 2021 com 119.017 pontos e chegou a superar os 130 mil pontos no começo de junho, atingindo a máxima histórica de 130.776 pontos, mas retrocedeu para patamares próximos dos 100 mil pontos. A pior marca de 2021 foi registrada na última quarta-feira (1º), quando fechou aos 100.774 pontos pela desconfiança com a PEC dos Precatórios, enquanto os investidores avaliavam os riscos em relação ao desgaste pelo descumprimento da lei do teto.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.