Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Justiça decreta prisão preventiva de médium João de Deus após acusações de assédio

Justiça decreta prisão preventiva de médium João de Deus após acusações de assédio

(Reuters) – A Justiça decretou nesta sexta-feira a prisão preventiva do médium João de Deus, acatando o pedido feito pelo Ministério Público Estadual de Goiás, no que pode vir a ser o maior escândalo sexual do Brasil.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás informou, por meio da assessoria de imprensa, que forças de segurança buscavam o médium nesta sexta-feira.

Como o processo corre em segredo de Justiça, o teor das denúncias e a motivação da prisão preventiva não podem ser detalhadas pelo Ministério Público.

As primeiras denúncias contra o médium, que ficou conhecido no Brasil e no exterior pelos atendimentos mediúnicos e cirurgias espirituais que realiza há mais de 40 anos, vieram à tona na semana passada em um programa da TV Globo.

Desde então, mais de 230 mulheres –brasileiras e estrangeiras– procuraram uma força-tarefa do MP com relatos de abusos cometidos pelo médium, cujo nome verdadeiro é João Teixeira de Faria.

Promotores entregaram na quarta-feira o pedido no tribunal de Abadiânia, pequena cidade de Goiás que abriga o centro espiritual de João de Deus, a cerca de 90 quilômetros de Goiânia. [nL1N1YH23P]

A defesa do médium disse que entrará com um habeas corpus contra a decisão, o que não exclui a apresentação espontânea de João de Deus.

“Observo que apenas alguns depoimentos, de poucas vítimas, acompanham o pedido de prisão preventiva, ainda assim, sem os seus nomes. Vamos impetrar habeas corpus contra a decisão que reputamos, preservado o respeito ao entendimento do juiz, ilegal e injusta”, afirmou o advogado Alberto Toron.

Um dos promotores que integra a força-tarefa vê o caso com potencial para ser o maior escândalo sexual do país.

“Caso os relatos se confirmem, eu não tenho dúvidas de que esse seria o maior escândalo que já se teve notícia no Brasil… tenho absoluta certeza”, disse à Reuters o promotor Luciano Meireles nesta sexta-feira, por telefone.

As acusações das mulheres variam desde toques inadequados em seus corpos até a consumação de relações sexuais e de obrigá-las a praticar sexo oral enquanto ele supostamente estava incorporando entidades espirituais, segundo vítimas entrevistadas pela imprensa.

(Por Laís Martins)

tagreuters.com2018binary_LYNXMPEEBD1BK-VIEWIMAGE

Envie seu comentário