Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Jovem saudita deixa Tailândia após obter asilo no Canadá

Jovem saudita deixa Tailândia após obter asilo no Canadá

Por Patpicha Tanakasempipat

BANGCOC (Reuters) – Uma jovem saudita que fugiu para a Tailândia afirmando ter medo de ser assassinada pela própria família deixou o país na sexta-feira com destino ao Canadá, onde obteve asilo, disse o chefe da imigração tailandesa.

A saga de Rahaf Mohammed al-Qunun chamou a atenção internacional nesta semana depois que ela se trancou em um quarto de hotel no aeroporto de Bangcoc para resistir a ser mandada de volta para sua família, que nega qualquer abuso.

Um vôo da Korean Air com Rahaf partiu de Bangcoc para Seul na noite de sexta-feira às 23h37 (horário local), disse à Reuters uma autoridade do aeroporto.

Rahaf embarcará em um voo de conexão para Toronto no aeroporto Incheon, em Seul.

“Era seu desejo ir ao Canadá”, disse o chefe da imigração da Tailândia, Surachate Hakparn, a repórteres.

“Ela ainda se recusa a se encontrar com seu pai e irmão, e eles vão viajar de volta hoje à noite também… Eles estão desapontados.”

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, confirmou nesta sexta-feira que seu país concedeu asilo à jovem.

Rahaf chegou a Bangcoc no sábado e, inicialmente, teve a entrada negada mas na área de trânsito do aeroporto de Suvarnabhumi ela começou a postar mensagens no Twitter afirmando que havia “escapado do Kuweit” e que sua vida estaria em perigo se fosse forçada a retornar à Arábia Saudita. Em poucas horas, uma campanha surgiu como #SalveRahaf, espalhada pelo Twitter por uma rede de ativistas.

Após 48 horas tensas no aeroporto de Bangcoc, algumas delas trancada em um quarto de hotel, ela pôde entrar no país e foi considerada uma refugiada pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Rahaf tem acusado sua família de abuso, e se recusou a encontrar seu pai e irmão que foram a Bangcoc tentar levá-la de volta à Arábia Saudita.

O caso chamou atenção para as rígidas normas sociais da Arábia Saudita, incluindo a exigência de que mulheres tenham a permissão de um “guardião” homem para poder viajar, o que, segundo grupos de direitos humanos, pode tornar mulheres e meninas prisioneiras de famílias abusivas.

A história também surge no momento em que Riad enfrenta rara vigilância de aliados do Ocidente, devido ao assassinato do jornalista Jamal Khashoggi dentro do consulado saudita em Istambul em outubro e às consequências humanitárias da guerra do Iêmen.

Na quarta-feira, a Austrália disse estar considerando receber Rahaf.

Por volta do meio-dia de sexta-feira, Rahaf postou em sua conta no Twitter que ela tinha “boas e más notícias!”, mas a conta ficou offline pouco tempo depois.

Um usuário do Twitter conhecido como Nourah, a quem Rahaf se referiu como um amigo, tuitou que Rahaf “recebeu ameaças de morte e por isso fechou sua conta no Twitter”.

(Reportagem de Patpicha Tanakasempipat; Reportagem Adicional de David Ljunggren em Ottawa)

tagreuters.com2019binary_LYNXNPEF0A1C0-VIEWIMAGE

Envie seu comentário