Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

EUA descartam novas isenções para petróleo do Irã

ABU DHABI (Reuters) – Os Estados Unidos não estão querendo conceder mais exceções para as importações de petróleo do Irã após a reimposição das sanções norte-americanas, disse neste sábado o representante especial dos EUA para o Irã, destacando o esforço de Washington para sufocar a renda de Teerã.

    “Não estamos procurando conceder isenções ou exceções à importação de petróleo bruto iraniano”, disse Brian Hook em uma conferência do setor na capital dos Emirados Árabes Unidos, Abu Dhabi.

    Washington concedeu isenções a oito grandes compradores de petróleo iraniano – incluindo China, Índia, Japão e Coréia do Sul – depois de restaurar as sanções energéticas em novembro.

    Hook recusou-se a dizer o que a administração em Washington faria quando essas isenções terminassem em maio.

    “O Irã está cada vez mais sentindo o isolamento econômico que nossas sanções estão impondo … Queremos negar as receitas do regime”, disse Hook.

    “Oitenta por cento das receitas do Irã vêm das exportações de petróleo e este é o número um patrocinador estatal do terrorismo … Queremos negar a este regime o dinheiro que ele precisa”, acrescentou.

    As tensões entre o Irã e os Estados Unidos aumentaram desde maio, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, abandonou um acordo nuclear entre Teerã e grandes potências em 2015, dizendo que o acordo era errado em favor de Teerã e reintroduziu sanções ao Irã que haviam sido suspensas pelo pacto.

    “Queremos um novo e melhor acordo (com o Irã), mas nesse processo estamos negando ao regime iraniano bilhões e bilhões de dólares e eles estão enfrentando uma crise de liquidez”, disse Hook.

    A República Islâmica, acrescentou ele, não retornaria à mesa de negociações sem pressão.

    Teerã se recusou a renegociar seu acordo nuclear e diz que seu programa de mísseis balísticos – outra fonte de preocupação para Washington e seus aliados regionais, como Israel e Arábia Saudita – é apenas defensivo e intocável.

    Hook disse que Washington está satisfeito com a redução das importações de petróleo do Irã pela China, e que ele espera reduções muito mais profundas nas exportações de petróleo iranianas. “Estamos apenas começando”, disse ele.

    As exportações de petróleo do Irã serão severamente reduzidas por um terceiro mês em janeiro, à medida que se esforçam para encontrar novos compradores em meio às sanções, segundo dados de petroleiros e fontes do setor.

    Separadamente, o ministro do petróleo de Omã, Mohammed bin Hamad al-Rumhi, disse na conferência que Washington não pediu ao Estado árabe do Golfo Pérsico que parasse um projeto de gasoduto com o Irã e que as negociações continuavam.

    Ele disse que alguns parceiros do projeto se retiraram por causa do risco de punição de Washington por lidar com o Irã, mas que algumas outras empresas asiáticas estavam dispostas a participar.

(Reportagem de Rania El Gamal e Maha El Dahan)

Envie seu comentário