Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Ciro diz que se Haddad for eleito será um “presidente por procuração”

Ciro diz que se Haddad for eleito será um “presidente por procuração”

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, procurou fazer um aceno aos eleitores de Luiz Inácio Lula da Silva, ao elogiar o ex-presidente, mas criticou o novo presidenciável do PT, afirmando que Fernando Haddad conhece pouco o país e, se eleito, será um “presidente por procuração”.

Em sabatina dos jornais O Globo e Valor Econômico e da revista Época, Ciro lembrou que foi ministro de Lula, que ele definiu como um amigo de 30 anos, mas ressaltou que não há mais espaço para PT ou PSDB comandarem o Brasil. Para o pedetista, o Brasil chegou ao nível atual de dificuldade depois de anos sob o comando desses dois partidos.

“Lula não é satanás nem deus e foi um presidente muito bom para o povo brasileiro”, disse Ciro, antes de criticar o petista por escolhas erradas como a ex-presidente Dilma Rousseff, o atual presidente Michel Temer, ex-vice de Dilma, e os ex-ministros Antonio Palocci e José Dirceu.

Para o pedetista, Haddad –confirmado candidato à Presidência pelo PT na terça-feira– não tem condições de gerir o Brasil porque pouco conhece o país. Além disso, insinuou que o ex-prefeito de São Paulo seria “um presidente por procuração“.

Ciro manteve seus duros ataques ao presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, que lidera as pesquisas de intenção de voto e foi esfaqueado na semana passada em ato de campanha, e a seu vice, o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), a quem chamou de “jumento de carga”.

“Uma pessoa que vota no Bolsonaro quer matar o país e vai me ter como inimigo… será a destruição do brasileiro ”, disse o pedetista.

“Se ele for eleito, vou chorar e saio da política, porque estou na disputa porque confio no povo brasileiro”, acrescentou.

Ciro acrescentou que “vai pensar muito” se será candidato à reeleição caso seja vitorioso em outubro, por considerar uma impertinência. “Preferia eleger um sucessor.”

Ao ser questionado sobre as ações contra o ex-governador do Paraná Beto Richa, preso na véspera, e contra o atual governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, ambos do PSDB , Ciro disse achar “estranho” que isso ocorra perto das eleições, avaliando que há sinais de viés políticos nessas e em outras operações.

“Todos nós temos que botar as barbas de molho. É muito bom que a Justiça não proteja e deixe alcançar seja quem for, mas a 30 dias de uma eleição é sempre muito estranho”, disse.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier; Edição de Alexandre Caverni e Maria Pia Palermo)

tagreuters.com2018binary_LYNXNPEE8B1WL-VIEWIMAGE

Envie seu comentário

quinze + três =