Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Nenhum comentário

Brasil não tem poder econômico fora do multilateralismo, diz Temer

Brasil não tem poder econômico fora do multilateralismo, diz Temer

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – A 25 dias de deixar o governo, o presidente Michel Temer afirmou que o Brasil não tem poder econômico hoje para “patrocinar o isolacionismo” e defendeu o multilateralismo nas relações comerciais.

“Sou francamente a favor do multilateralismo. Não temos poder ecônomico e político para o isolacionismo, o unilateralismo”, defendeu Temer em conversa com jornalistas de agências internacionais em um café da manhã nesta quinta-feira.

O presidente elogiou a postura dos países do G20, na reunião em participou em Buenos Aires na semana passada, quando todos os países presentes teriam defendido essa postura. “Hoje não é mais uma posição possível o isolacionismo”, disse.

A posição de Temer contrasta com declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro, que defende uma aproximação maior com os Estados Unidos, vem criticando o excesso de relação do Brasil com a China, maior parceiro comercial do país, e diz ser necessário mudar toda a política externa brasileira.

Apesar disso, Temer afirmou que não vê mudanças significativas na área. “Eu acho que a política externa vai continuar. Há uma ou outra afirmação, mas acho que as coisas vão ser ajustadas.”

O presidente também defendeu a importância do Acordo de Paris, que Jair Bolsonaro já afirmou, mais de uma vez, que planeja deixar. Lembrou que o Brasil foi um dos primeiros a depositar na Organização das Nações Unidas a ratificação do acordo e que salvar o meio ambiente é salvar vidas.

“Eu acho que aos poucos dentro do governo eleito está havendo essa compreensão”, disse.

Durante a campanha Bolsonaro já havia ameaçado sair do acordo de Paris. Apesar de recuar depois disso, ele repetiu a posição recentemente ao afirmar que havia sido dele o pedido para que o Brasil não sediasse a Conferência das Partes 25 sobre mudanças climáticas.

“Não quero anunciar uma possível ruptura (com o acordo) dentro do Brasil. Além dos custos que seriam, no meu entender, bastante exagerados tendo em vista o déficit que nós já temos no momento”, disse o presidente eleito.

Na semana passada, durante a reunião do G20, o presidente da França, Emanuel Macron, afirmou que o apoio da França ao acordo comercial entre Mercosul e União Europeia dependeria da posição do Brasil sobre o acordo de Paris.

tagreuters.com2018binary_LYNXMPEEB519Y-VIEWIMAGE

Envie seu comentário