PATROCINADORES

Tensão comercial entre EUA e China pode escalar para outras áreas, diz diretor-geral da OMC

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, afirmou que está muito preocupado com o aumento da tensão comercial entre Estados Unidos e China após nova rodada de tarifas entre si nesta semana, dizendo temer que o conflito entre as duas maiores economias do mundo escale para outras áreas.

“Não fiquei surpreso e sabia que…esse era o destino…estou muito preocupado”, disse ele a jornalistas ao frisar que a relação entre China e EUA pode piorar ainda mais.

“Sinceramente, não acho que acabou não. Tem muita munição e pode escalar para outras áreas que não a tarifária. Pode não ficar apenas na área comercial”, acrescentou.

A China e os Estados Unidos mergulharam mais fundo na guerra comercial nesta semana, depois que Pequim acrescentou 60 bilhões de dólares em produtos norte-americanos à sua lista de tarifas de importação em retaliação aos planos do presidente Donald Trump de impor tarifas sobre 200 bilhões de dólares em produtos chineses.

Não há outro caminho para a solução do conflito que não seja o órgão multilateral, defendeu Azevêdo, lembrando que vem discutindo uma reforma para fortalecer a OMC e atender demandas dos países membros.

“As partes (China e EUA) estão constantemente se falando sem haver progresso”, disse ele a jornalistas em evento na Federação da Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

“Essa conversa de fazer uma reforma é para tentar encontrar um campo de jogo que cubra as preocupações de todos os lados, em particular esse dois (China e EUA). O diálogo bilateral acontece, mas ele sozinho não vai resolver.”

O diretor-geral da OMC admitiu a possibilidade de existir um órgão de solução de controvérsias sem a presença da maior economia mundial. O presidente dos EUA, Donald Trump, defende a retirada dos EUA do organismo.

A OMC tem se dedicado a “forçar” Estados Unidos e China a resolverem suas diferenças comerciais por meio do diálogo e explicou que o órgão já alertou sobre o efeito dominó que as dificuldades comerciais entre os dois países pode gerar.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 14 =

Pergunte para a

Mônica.