PATROCINADORES

Boletim da Pandemia 39: início da campanha; melatonina; Saúde refutada

Prioritários
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou duas vacinas contra a covid-19 (CoronaVac e AstraZeneca/Oxford). Agora o Ministério da Saúde deverá se preparar para imunizar a população mais vulnerável na primeira rodada. Uma das promessas da pasta é atingir 1 milhão por mês. Vale lembrar que em janeiro foi anunciado pelo ministro, Eduardo Pazuello, que o Butantan entregará 46 milhões de doses até abril e mais 54 milhões no decorrer do ano. De acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS), 70% da população precisa estar inoculada para garantir a imunidade de grupo. Isso significa que o Brasil precisa de um pouco mais de pelo menos um ano para garantir segurança sanitária dos seus 209 milhões de habitantes. Confira:

  • Profissionais de saúde
  • Idosos acima 75 anos
  • Indígenas
  • Quilombolas
  • Comunidades ribeirinhas
  • Trabalhadores do transporte coletivo
  • Pessoas em situação de rua
  • População privada de liberdade
  • Funcionários do sistema prisional
  • Pessoas com comorbidades
  • Professores
  • Profissionais da força de segurança e salvamento

Será que eu preciso me vacinar?
A União Pró-Vacina, do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP), afirma: “As vacinas foram e são desenvolvidas com base na necessidade de se proteger de doenças fatais ou incapacitantes”. Confira:

Primeiros imunizados

Além da enfermeira do Hospital Emílio Ribas, o governo paulista imunizou a primeira indígena do Brasil. Vanusa Kaimbé é técnica em enfermagem e assistente social. Vive na aldeia kaimbé Filhos Desta Terra, em Guarulhos.

O enfermeiro Wilson Paes, 57 anos, recebeu sua primeira dose.

O diretor da emergência da neurocirurgia do Hospital das Clínicas, Almir Ferreira de Andrade, 79 anos, também foi inoculado.

Barreiras naturais
A melatonina produzida no pulmão atua como uma barreira natural contra o coronavírus. O hormônio impossibilita a infecção das células e, consequentemente, a ativação do sistema imunológico, permitindo que ele permaneça por alguns dias no trato respiratório para depois, ficar livre para encontrar outros hospedeiros. A descoberta, realizada por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), ajuda a entender por que há pessoas que não são infectadas e assintomáticas. Além disso, o estudo abre a perspectiva de uso da melatonina administrada por via nasal (gotas ou aerossol) que no futuro poderá prevenir a doença (estudos pré-clínicos e clínicos serão realizados). O artigo foi publicado na revista Melatonin Research. Ele não exclui a necessidade da vacinação, mas busca entender os casos assintomáticos.

Mais médicos
Diante do colapso do sistema de saúde de Manaus, 107 médicos graduados na Venezuela se ofereceram para ajudar o estado, informou o ministro de Relações Exteriores do país, Jorge Arreaza. Os 107 profissionais fazem parte da Associação dos Médicos Formados no Exterior (Amfex) e se apresentaram na sexta-feira (15) ao consulado venezuelano em Boa Vista, Roraima. A brigada conta com médicos brasileiros e venezuelanos formados na Universidade de Caracas. Um documento enviado ao governador Wilson Lima (PSC) que afirma: “107 médicos residentes no Brasil estão à inteira disposição para prestar o apoio que seja necessário para nessa luta contra o coronavírus e a favor da vida humana”.

Sorvetes contaminados
Foram detectados em sorvetes produzidos na China contaminações por coronavirus. A descoberta obrigou a sua retirado do mercado e não há indícios de que alguém tenha consumido, informou Pequim. A empresa responsável é a Daqiaodao Food.

Fake news da Saúde
Em uma ação para combater fake news sobre a a covid-19, o Twitter marcou como enganosa e potencialmente prejudicial uma publicação do Ministério da Saúde sobre o “tratamento precoce” com o uso de medicamentos ineficazes (cloroquina e a invermectina). A publicação estimulava as pessoas a procurarem uma unidade de saúde ao apresentarem sintomas e, então, solicitarem o tratamento. A comunidade científica afirma que não existe este tipo para o coronavírus.

Durante a aprovação de duas vacinas pela Anvisa (CoronaVac e AstraZeneca/Oxford), o órgão regulador deixou claro que não há medicamento contra o doença.

Painel Coronavírus
Dados atualizados em 17/01/21 – 19h30

Casos confirmados
• 8.488.099 – acumulado
• 33.040 – casos novos
• 7.411.654 – casos recuperados
• 866.598 – em acompanhamento
• 4039,1 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Óbitos confirmados
• 209.847 – óbitos acumulados
• 551 – casos novos
• 2,5% – Letalidade
• 99,9 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − 1 =

Pergunte para a

Mônica.