Document
PATROCINADORES
PATROCINADORES

Boletim da Pandemia 10: “para que pressa?”, nova cepa inglesa e um grande uruguaio

Bolsonaro não quer o Brasil em primeiro
O presidente Jair Bolsonaro questionou a urgência pela aprovação de uma vacina contra a covid-19: “Parece que a Inglaterra começou a vacinar agora. Por que a gente tem que ser primeiro?” Esta semana, ele afirmou que não irá se vacinar, pois já pegou a doença (ignorando o risco de reinfecção). “A pressa pela vacina não se justifica, porque você mexe com a vida das pessoas”, disse o presidente. “Não há guerra, não há politização da minha parte. Nós esperamos uma vacina segura”, emendou. O Brasil é o terceiro país em casos e o segundo em vítimas fatais.

Sem segunda dose, nada feito
A presidente da Comissão de Revisão de Calendários Vacinais da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Mônica Levi, alertou em entrevista à Folha de S. Paulo sobre a necessidade das pessoas tomarem as duas doses das vacinas, quando disponíveis: “As vacinas têm que ser feitas em duas doses para dar a proteção. Quando a gente fala em eficácia, é eficácia em duas doses”.

Nova cepa agressiva na Inglaterra
A partir deste domingo (19), Londres, o sudeste e o leste da Inglaterra entrarão em um lockdown de nível quatro por causa do surgimento de uma nova cepa do coronavírus. A variante é 70% mais transmissível que a anterior, o que obriga o governo a limitar as comemorações de Natal a apenas pessoas de uma mesma família. Cerca de 15 milhões de pessoas serão afetadas pelas mesmas medidas aplicadas ao restante do país em novembro, mesmo com a campanha de vacinação em andamento. As pessoas devem trabalhar em casa quando puderem e não devem sair das áreas no nível quatro. Serviços religiosos vão continuar, mas todo o comércio e serviços não essenciais terão que fechar. As restrições serão revistas em 30 de dezembro.

Murdoch imunizado

Presidente do grupo News Corp e aberto apoiador do negacionista Donald Trump, o bilionário australiano-americano Ruppert Murdoch, de 89 anos, mudou de opinião. Ele foi vacinado para covid-19 na sexta-feira (18). Pela sua avançada idade, teve prioridade na fila. Sua presença no posto de vacinação, em Henley, Oxfordshire, Reino Unido, não foi coberta pela imprensa por “medida de segurança”. O expediente no posto de vacinação teve que ser estendido por alguns minutos para que a comitiva que trouxe estacionasse. Em uma declaração pública, ele afirmou: “Gostaria de agradecer aos trabalhadores essenciais e à equipe do NHS [o SUS britânico] que trabalharam tanto durante a pandemia, e aos cientistas incríveis que tornaram essa vacina possível. Eu encorajo fortemente as pessoas ao redor do mundo a tomar a vacina assim que ela se tornar disponível”. Murdoch foi uma apoiador das pesquisas, mas a Fox News, de sua propriedade, em diversas ocasiões questionou a seriedade da doença e as vacinas.

Suíça aprova Pfizer em definitivo
A primeira autorização para uma vacina contra o coronavírus que não seja de caráter emergencial ocorreu na Suíça, que vai usar o imunizante da Pfizer como padrão. O anúncio foi feito hoje pela Swissmedic, a Anvisa suíça. Com 8,6 milhões de habitantes, o país já adquiriu 15,8 milhões de doses de vacinas da Pfizer-BioNTech (3 milhões), Moderna (7,5 milhões) e da AstraZeneca/Oxford (5,3 milhões). Todas necessitam de duas inoculações.

Campanha começa em Israel
O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu foi um dos primeiros imunizados. “Pedi para ser vacinado primeiro, junto do ministro da Saúde, Yuli Edelstein, para dar o exemplo e os encorajar a serem vacinados”, disse. Ele deve tomar a segunda dose em três semanas.

Itália vai pedir certificado para fiéis
A Conferência Episcopal Italiana (CEI) anunciou que os fiéis católicos que desejarem frequentar igrejas próximas de suas residências durante as celebrações de Natal e Ano Novo terão que apresentar documentos indicando onde vivem. A medida é válida para as regiões da Itália que estarão classificadas como “zona vermelha”.

Moderna chega depois, mas larga na frente
A aprovação nos Estados Unidos da vacina da Moderna, na sexta-feira (18), colocou o produto já na frente de seu equivalente, da Pfizer/BioNtech. É que a solução da Moderna pode ser preservada em temperaturas entre 2 e 8 graus Celsius por até 30 dias, o que lhe dá grande vantagem logística, já que a outra exige armazenamento a -70 graus Celsius. Os EUA querem imunizar 20 milhões de pessoas até o fim do ano. A vacina da Moderna já foi encomendada por União Europeia (80 milhões de doses), Japão (50 milhões), Canadá (40 milhões), Coreia do Sul (20 milhões) e Reino Unido (7 milhões).

O herói cientista d’El Paisito

O sujeito acima se chama Gonzalo Moratorio, tem 38 anos, e atua no Instituto Pasteur de Montevidéu. A publicação científica Nature o escolheu como um dos dez cientistas mais importantes de 2020 – o único latino-americano. Ele desenvolveu um teste rápido e eficiente para detectar a covid-19. Graças ao seus esforços, o Paisito, como é chamado o Uruguai, controlou a pandemia. Com 3,5 milhões de habitantes, há apenas 109 casos fatais registrados. O teste que ele desenvolveu é aberto, ou seja, funciona com reagentes químicos de vários fabricantes.

Painel Coronavírus
Atualizado pelo Ministério da Saúde em: 19/12/2020 – 18h

Casos confirmados

  • 7.213.155 – acumulado
  • 50.177 – casos novos
  • 6.222.764 – casos recuperados
  • 804.035 – em acompanhamento
  • 3.432 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Óbitos confirmados

  • 186.356 – óbitos acumulados
  • 706 – casos novos
  • 88,7 – letalidade por grupo de 100 mil habitantes

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.