Document
PATROCINADORES

Paraguai elege presidente neste domingo, candidato conservador é favorito

Por Daniela Desantis e Mariel Cristaldo

ASSUNÇÃO (Reuters) – O Paraguai está escolhendo um novo presidente nas eleições deste domingo, com o Partido entre os favorito, apesar de perda de assentos no Congresso, o que deve complicar a agenda pró-negócios e aumentar o risco de impostos maiores para o setor agrícola do país.

Mario Abdo, um ex-senador de 46 anos que fez campanha pelo Partido Colorado em uma plataforma anti-corrupção, apoia a atual política de impostos baixos destinada a estimular o investimento estrangeiro e a produção agrícola no Paraguai, quarto maior exportador de soja e importante fornecedor de carne bovina.

Abdo, que preparou o cenário para governar com uma minoria no Congresso ao pedir diálogo, prometeu combater a pressão para elevar os impostos, apesar de pedidos da oposição por tributos à exportação de soja.

Pesquisas de opinião antes das eleições mostraram Abdo entre 18 e 20 pontos na frente do candidato Efrain Alegre, advogado da coalizão de centro-esquerda GANAR. O presidente de saída, Horacio Cartes, que tentou e falhou em mudar a constituição para permitir que buscasse um segundo mandato consecutivo, concorre a um assento no Senado.

Abdo é o filho de uma secretária privada do ditador Alfredo Stroessner, que liderou o Paraguai com mão de ferro por 35 anos. Ele, que tinha 16 anos quando o regime de Stroessner acabou em 1989, prometeu respeitar os direitos humanos e as instituições democráticas se eleito.

“Eu vou liderar um amplo diálogo nacional”, afirmou Abdo a repórteres antes de votar. Mais tarde, ele visitou a tumba de seu pai, assim como havia feito no dia da eleição primária em dezembro, quando foi nomeado pelo Partido Colorado.

As políticas conservadoras dele e seu histórico familiar são um motivo de preocupação para alguns eleitores, que têm dúvidas sobre seu compromisso de limpar o governo.

“Este é um país de corrupção e até encerrarmos isso não avançaremos. Mario Abdo é um filho da ditadura e não acho que ele governará bem”, disse Edgar Gonzalez, 45 anos, a caminho da urna de votação em escola de ensino médio no bairro de classe média alta de Trinidad, em Assunção.

(Por Hugh Bronstein)

(Por Gabriela Mello)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.