PATROCINADORES

ONU diz que reportagem da Reuters sobre massacre em Mianmar exige “atenção e ação”

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) – Uma investigação da Reuters sobre o assassinato de muçulmanos rohingya em Mianmar e outros relatos de abusos graves “exigem nossa atenção e ação”, disse uma autoridade da Organização das Nações Unidas ao Conselho de Segurança da ONU nesta terça-feira.

O vice-chefe de assuntos políticos da ONU Miroslav Jenca pediu a libertação de dois jornalistas detidos da Reuters, dizendo ao conselho de 15 membros: “A capacidade de exercer o direito à liberdade de expressão e informação é um barômetro para o respeito pelos direitos humanos de forma mais ampla”.

Dois jornalistas da Reuters estão presos desde o dia 12 de dezembro acusados de violar a lei de segredos oficiais de Mianmar.

Wa Lone, de 31 anos, e Kyaw Soe Oo, de 27, estavam trabalhando na cobertura da Reuters de uma crise no Estado de Rakhine, onde uma repressão militar contra insurgentes iniciada no final de agosto provocou a fuga de 688 mil muçulmanos rohingyas, de acordo com a ONU.

Os dois foram detidos depois de serem convidados para jantar com policiais em Yangon. Eles disseram a parentes que foram presos quase imediatamente depois de receberem alguns documentos dos policiais que não conheciam antes.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − cinco =

Pergunte para a

Mônica.