PATROCINADORES

Alckmin aposta em palanques estaduais para crescer e diz que quem prometer facilidade mentirá

SÃO PAULO (Reuters) – O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, disse nesta quarta-feira durante palestra a investidores que terá os melhores palanques nos Estados, o que lhe ajudará a vencer as eleições, e afirmou que o candidato que prometer facilidades na campanha estará mentindo.

“Vamos ter do Rio Grande do Sul até Roraima os melhores palanques. Se não o primeiro, o segundo do Estado”, disse Alckmin durante evento organizado pelo banco BTG Pactual em São Paulo.

“Numa campanha curta, televisão e rádio –claro que as redes sociais são importantes–, mas televisão e rádio é importante”, acrescentou o tucano, que voltou a defender a ampla coligação que fez, principalmente com os partidos do chamado blocão, muitos deles com lideranças envolvidas em escândalos de corrupção.

O tucano disse que há bons quadros em todas as legendas e que, para fazer reformas como a tributária, a política e a da Previdência, é necessário ter uma ampla base de apoio no Congresso Nacional.

“Quem prometer mudança sem ter articulação política, vai estar mentindo”, defendeu Alckmin, que optou por não falar com jornalistas após a palestra.

“Fizemos alianças com nove partidos em torno de um programa e de uma proposta”, garantiu.

Alckmin reconheceu que, na visão dos cidadãos, “a política está no chão” e afirmou que não existem partidos políticos de verdade no país, inclusive o PSDB, que ele preside.

Ele também reconheceu que o próximo presidente terá uma tarefa árdua pela frente e criticou aqueles que prometem facilidades ao eleitorado.

“Você não vai pegar um cirurgião para operar um aneurisma abdominal que saiu da faculdade ontem”, defendeu o tucano, que disse que não irá “prometer mágica” aos eleitores.

“Não vai ser fácil, quem prometer facilidade vai estar mentindo”, afirmou o presidenciável tucano, que também procurou ligar o PT à atual situação econômica difícil do país.

“É o 13. Treze anos do PT, treze milhões de desempregados”, disse, se referindo ao número do PT nas urnas.

(Por Eduardo Simões e Laís Martins)

tagreuters.com2018binary_LYNXMPEE771VQ-VIEWIMAGE

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + onze =

Pergunte para a

Mônica.